Surto de dengue propaga pela cidade e moradores precisam cuidar da faxina dos quintais. E a Prefeitura das áreas verdes

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Um morador do bairro Pedreira do Instituto, um dos mais populosos da cidade, fez contato com a redação deste site Vila de Utopia relatando a situação vivida em casa. De acordo com ele, que pede para não ser identificado, na semana passada a sua mulher se apresentou com um quadro febril.

Procurou atendimento no Pronto-Socorro Municipal, quando teria sido diagnosticada como tendo zika, doença que juntamente com a dengue e chikungunya são provocadas pela picada do mosquito Aedes aegypti.

“Mesmo tendo sido diagnosticada, ela não pôde ser internada no hospital por causa da pandemia do coronavírus”, relata o morador.  “Disseram para ela ir para casa e receitaram o medicamento, que não foi encontrado na rede municipal.”

Como ele é autônomo, está sem renda. Afastado do trabalho para não sair de casa, só conseguiu adquirir o medicamento com ajuda de amigos e familiares. “É uma situação que muitas pessoas estão vivendo no nosso bairro, principalmente com surto de dengue.”

Sinal de alerta

Procurada pela reportagem, a Prefeitura diz desconhecer a existência de surto de zika em Itabira. “Até o dia 17 de março, a Secretaria Municipal de Saúde registrou 316 notificações para dengue, zika ou chikungunya. Do total, foram confirmados 93 casos positivos de dengue e nenhum para as outras doenças”, relata a assessoria de imprensa.

Mas o quadro pode estar mudando – e é preciso que a vigilância em saúde, mesmo com a prioridade voltada para a proliferação do novo coronavírus, investigue essa possibilidade. Até porque o quadro de infestação do mosquito na cidade não foi alterado.

De acordo com o último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (Liraa), realizado em Itabira entre os dias 13 e 17 de janeiro, o índice de infestação no bairro Pedreira era de 1,58% – um indicador de estado de alerta. Leia mais aqui.

Somente índices inferiores a 1% são considerados satisfatórios.  Pelo mesmo levantamento, Itabira apresentou índice médio de infestação pelo mosquito de 5,3%, o que acende o sinal vermelho em toda a cidade.

É preciso, portanto, que os moradores tomem as preocupações necessárias, eliminando os focos de criadouros do mosquito. A disseminação ocorre com água parada nos vasilhames jogados nos quintais, nos lixos lançados na beira das estradas, na caixa d’água destampada, no depósito de ferro velho.  E também nos terrenos públicos onde as pessoas jogam entulhos, que por lá ficam acumulando água e focos do mosquito.

Só com a limpeza e os cuidados necessários, impedindo que a água fique parada, mais essas epidemias não irão abarrotar ainda mais os serviços de saúde, agravando o atendimento à população em tempo de proliferação da pandemia da Covid-19.

“Vamos ter uma “tempestade perfeita” com surtos do novo coronavírus, gripe e dengue, alerta epidemiologista

Wanderson de Souza, epidemiologista do Ministério da Saúde, adverte para o risco de o país ter três surtos simultâneos: coronavírus, gripe de dengue: “limpem os quintais”, é o que ele recomenda. “E fiquem e casa.” (Foto: Agência Brasil)

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, o epidemiologista Wanderson de Souza, diz que o Brasil irá enfrentar nos próximos meses o que chama de “tempestade perfeita”, com o risco de agravar a saúde da população com o advento de três epidemias simultâneas – e que irão sobrecarregar ainda mais os hospitais, prontos-socorros e demais unidades de saúde.

Segundo ele, o pico da propagação do novo coronavírus no país terá início em abril – e irá coincidir com o período do ano em que duas outras doenças se espalham com muita força.

“Teremos, nos próximos meses, uma tempestade perfeita, com o avanço do novo coronavírus, que é novidade, com a influenza (gripe) chegando com sua carga máxima e com o pico também da dengue”, adverte, lembrando que todo cuidado é pouco para não contrair uma dessas doenças.

“Não saiam de casa e aproveitem para limpar os quintais e eliminar os focos do mosquito da dengue. E vacinem contra a gripe, de acordo com o calendário”, recomenda.

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Cristina Silveira on

    eh muleque!!! (expressão carioca). A perifa procurando a Vila para dar a grita, isso é bão demais. É isso Carlos, fique atento à perifa, vc pode ser a voz a repercutir os problemas que a elite ignora dentro de seus carros caros. Te saúdo e louvo, beijoca.

Deixe um comentário