Sem medidas duras e apoio do governo, Brasil não reverte pandemia, diz OMS

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Diretor-geral da entidade se diz ‘profundamente preocupado’ com números da Covid-19 no Brasil e afirma que dificuldade em conter pandemia não faz jus ao sistema de saúde do país

Por Ana Estela de Sousa Pinto

Folha de S.Paulo – A situação da Covid-19 no Brasil é “profundamente preocupante” e será preciso um esforço considerável para mudar de direção, afirmou nesta sexta (12) a OMS (Organização Mundial da Saúde).

“O cenário brasileiro piorou desde a semana passada, com alta taxa de positivos entre pessoas testadas, forte incidência de novos casos, elevação no número de mortes, rápido aumento na ocupação de UTIs e sistema de saúde sob estresse extremo”, afirmou o diretor-executivo da entidade, Michael Ryan.

“Começando pelo governo, todos no Brasil precisam levar a pandemia a sério”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Estou profundamente preocupado com o aumento nas mortes. Não haverá redução significativa no contágio sem medidas sociais sérias, é preciso que haja mensagem clara das autoridades sobre a gravidade da situação e a necessidade das restrições, e o governo precisa fazer cumprir as medidas”, afirmou.

Nos últimos dias o Brasil superou 2.000 mortes diárias por Covid-19. A média móvel de mortes também permanece em níveis altíssimos e com recordes sucessivos.

Movimentação dos profissionais da saúde em UTI de Curitiba (Foto: Clevis Massolla/Folhapress)

Ghebreyesus se disse desconcertado com a resposta brasileira à pandemia, completamente contrária às suas expectativas. “Visitei o Brasil muitas vezes interessado em seu forte sistema de atenção básica, seu programa de medicina da família. É um sistema robusto de vigilância, que permitiria ter lidado muito melhor com a pandemia”, disse o diretor-geral.

Segundo Ryan, “cientistas, profissionais de saúde e a população do Brasil podem vencer a Covid-19, mas a dúvida é se podem contar com o apoio de que precisam para isso”.

Ele afirmou que o país sempre foi referência em medidas de saúde pública no mundo, como na erradicação de doenças como sarampo e pólio, e suas ações impactam outros países “para o bem e para o mal”.

“Gostaríamos de ver o Brasil indo em outra direção, mas antes disso será preciso um esforço considerável. Enquanto muitos países nas Américas do Sul e Central estão indo por um bom caminho, o Brasil não está”, afirmou o diretor-executivo.

A OMS têm elevado progressivamente o tom de suas declarações sobre a situação brasileira nas últimas semanas, abandonando aos poucos ressalvas como o fato de que o país é grande e complexo, citando com mas frequência a responsabilidade de autoridades e a necessidade de levar a pandemia a sério.

A líder-técnica da OMS Maria van Kerkhove disse que há indícios de que a variedade identificada no Brasil, a P.1, é mais contagiosa e também provoca mais mortes, embora seja difícil avaliar esse efeito quando os hospitais estão em colapso.

“Quando a transmissão está fora de controle, cresce o número de casos, há mais doentes graves, mais hospitalizações e a pressão sobre o sistema de saúde provoca mais mortes desenecessárias”, afirmou ela.

Segundo Kerkhove, ainda que a variante P.1 represente um risco maior, ela pode ser contida com medidas básicas como uso de máscaras, redução da mobilidade e do contato físico e higiene das mãos.

As novas menções a problemas no Brasil acontecem um ano depois do registro da primeira morte por Covid-19 no Brasil: da paulistana Rosana Urbano, 57 anos, no Hospital Municipal Doutor Carmino Cariccio (zona leste).

Trezentos e sessenta e cinco dias depois, o país conta 273 mil mortos e 11,2 milhões de casos confirmados.

No destaque, movimentação dos profissionais da saúde em UTI de Curitiba (Foto: Clevis Massolla/Folhapress)

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário