Sem dizer o motivo, Eliana Horta pede exoneração da Secretaria Municipal de Saúde. A enfermeira Luciana Sampaio assume a pasta

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

A exoneração, a pedido, da farmacêutica Eliana Horta da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) já era esperada. E não deve ser a única alteração no primeiro escalão do governo, conforme já havia antecipado o prefeito Marco Antônio Lage (PSB) em seu discurso de posse, em 1º de janeiro.

Portanto, outras alterações podem ser anunciadas nos próximos dias, de acordo com as avaliações que o prefeito vem fazendo da performance de cada pasta.

Em nota encaminhada à imprensa, Marco Antônio Lage agradeceu a colaboração de Eliana Horta, que participou, inclusive, da equipe de transição de governos. Entretanto, o que levou a ex-secretária pedir exoneração, após pouco mais de 100 dias de sua posse, não foi informado.

O prefeito apenas destacou o período conturbado em que ela assumiu a pasta. Isso em decorrência do enfrentamento à pandemia, que, já no início do ano se apresentou mais letal com as novas variantes – e que têm-se revelado tragicamente mais contagiantes.

É o que explica o salto exponencial de novos casos e do número assustador de mortes por Covid-19 no país, em Minas Gerais e também no município.

Erro de interpretação

Além disso, pode ter pesado o erro de interpretação do público-alvo no início da campanha de vacinação pela SMS, sob o comando da ex-secretária.

Por uma interpretação extensiva das diretrizes do Plano Nacional de Imunização (PNI), a SMS priorizou, em Itabira, a vacinação de profissionais da área de saúde, incluindo até mesmo quem não está na linha de frente no enfrentamento ao novo coronavírus.

Com isso, foram imunizados, nessa primeira etapa da campanha, profissionais de saúde ocupados em serviços burocráticos. Foram vacinados até mesmo quem não mais atua na área. Em decorrência, no início da campanha, atrasou-se a vacinação de idosos.

De acordo com o vacinômetro, da SMS, do dia 23 de março, de um total de 9.354 doses de vacinas aplicadas em Itabira, 5.767 foram destinadas a profissionais de saúde. Representaram 61,6% do total de imunizantes que aportaram no município naquele primeiro momento.

Isso enquanto o número de aplicações em idosos, até aquela data, havia atingido apenas 3.165 pessoas, que representaram 33,8% do total das vacinas que chegaram a Itabira com o primeiro lote de imunizantes. Leia mais aqui.

Pode até não ter sido esse erro estratégico o que levou à exoneração da ex-secretária. Sem dizer o motivo de sua saída do governo, o prefeito elogiou a atuação da ex-colaboradora.

“Eliana demonstrou muita coragem e compromisso com o município ao assumir esse desafio”, salientou. ”Na equipe de transição e à frente da secretaria, ela deixou claro a dedicação que sempre foi a marca de sua trajetória na área de saúde”, enalteceu.

Nova secretária

A nova secretária de Saúde, Luciana Sampaio. No destaque, o prefeito com Eliana Horta: exoneração a pedido (Fotos: Reprodução e Divulgação)

Para a vaga deixada por Eliana Horta, o prefeito nomeou a enfermeira Luciana Carmem Sampaio, que respondia pela Superintendência de Finanças e Planejamento da SMS.

Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com várias pós-graduações, Luciana Sampaio acumula experiência profissional de 23 anos na área de Gestão em Saúde Suplementar e Pública, com cargos de coordenação em grandes hospitais, como Biocor, Rede Fhemig, Unimed BH, Life Center, Luxemburgo.

Antes de assumir a superintendência de Finanças e Planejamento na SMS, atuou como consultora na Gestão Estratégica das Políticas de Saúde Pública do Fundo Nacional de Saúde e com Projetos de Fusão e Aquisição de Novos Negócios na área de saúde.

É também professora em cursos de graduação e pós-graduação em Enfermagem. Coordenou o Programa de Profissionalização de Auxiliares e Técnicos de Enfermagem (Profae), do Ministério da Saúde, e a pós-graduação da área de Saúde do Pitágoras.

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário