Por que pessoas que tomaram duas doses da vacina pegam covid e até morrem

WhatsApp Pinterest LinkedIn +
Por Gustavo Cabral
Colunista do VivaBem

 

O Brasil atingiu, no último sábado (19), a triste marca de 500 mil mortes provocadas pelo coronavírus. Enquanto o número de infectados e óbitos em nosso país volta a subir, vemos que outras nações que estão com a vacinação avançada começam a retomar a “vida normal”. Isso ajuda a deixar claro o quanto a vacinação em massa é essencial para conseguirmos controlar a covid-19.

Mesmo assim, alguns ainda têm dúvidas sobre a eficácia e segurança dos imunizantes. Esses indivíduos muitas vezes são influenciados por notícias falsas que circulam nas redes sociais ou até mesmo por “conversas entre vizinhos”. Uma questão que tenho recebido bastante é: “Se as vacinas funcionam, por que tem gente adoecendo e até morrendo após tomar a segunda dose?”.

Para compreender melhor isso, primeiramente é preciso entender que as vacinas disponíveis atualmente no Brasil que exigem duas doses (CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer) conferem a maior proteção contra a covid-19 cerca de 14 a 20 dias depois da aplicação da segunda dose. Ou seja, se a pessoa “pegou o coronavírus” antes desse tempo, a resposta para a dúvida está aí: ela ainda não estava totalmente imunizada.

“Ah, Gustavo, mas tem gente ficando doente mais de 20 dias após tomar a segunda dose da vacina…” Sim, tem. E a explicação para isso também é simples. Nenhuma vacina protege 100% —e isso vale também para outras vacinas, não só a contra a covid-19. Como já expliquei, as imunizações contra a covid-19 não evitam que a pessoa contraia o coronavírus mas, sim, protegem que ela desenvolva casos graves de covid, que exigem hospitalização e causam mortes.

Para quem acha que não precisa se vacinar pois a imunização não protege contra o vírus, vamos falar o português bem claro. A vacina não impede que você pegue o vírus, mas protege você da morte e/ou de um sofrimento absurdo, que pode fazer com que você precise de um tratamento intensivo, na UTI, e de intubação.

Nunca é demais lembrar que a pessoa vacinada pode contrair e transmitir o coronavírus para outras pessoas. Dessa forma, aquela maluquice que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) propôs semana passada, para que as pessoas vacinadas ou que já tenham sido infectadas não precisem usar máscara, não merece ter ouvidos, mas sim repúdio.

Por que pessoas vacinadas estão morrendo?

“Ah, Gustavo. Você diz que a vacina evita que a pessoa tenha covid grave e morra, mas eu li que tem gente morrendo mesmo após tomar as duas doses. E agora, doutor, como explicar isso?”

Quando alguém falar isso para você desmerecendo a vacina, a primeira coisa que você deve fazer é desconfiar dessa pessoa, pois alguém que tenta tirar a credibilidade da melhor arma para a prevenção e combate a doenças infecciosas, que é a vacina, não merece a menor atenção. Porém, o problema é que esse tipo de indivíduo causa muitos danos sociais, pois gera medo nas pessoas e prejudica o progresso da vacinação.

Realmente, pessoas podem morrer mesmo após tomar as duas doses de uma vacina. Mas isso não diminui a eficácia e segurança da imunização e precisamos avaliar individualmente o que levou a essa fatalidade. Qual era a idade dessa pessoa que morreu? Ela tinha alguma deficiência imunológica ou doença crônica que aumenta o risco de morte precoce ou de morte por outras patologias? Essa pessoa buscou atendimento médico rapidamente quando a covid-19 começou a se agravar?

Tenha em mente que há muitos, muitos fatores mesmo que precisam ser analisados para compreender por que essa pessoa morreu. Não dá para simplesmente “culpar a vacina”. A vacina é a principal arma para nos proteger das formas graves da covid-19, mas não dispensa outros cuidados.

Confie na vacina e tenha em mente que, para sairmos dessa crise sanitária terrível não podemos pensar apenas individualmente. A pandemia é um problema coletivo, combatido por uma vacinação que também precisa ser coletiva. Ou todos se imunizam o quanto antes para controlarmos a covid-19, ou ninguém terá paz tão cedo e essa doença continuará trazendo tristeza para muitas famílias.

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. “Ela tinha alguma deficiência imunológica ou doença crônica que aumenta o risco de morte precoce ou de morte por outras patologias? ”
    Pois é. Temos que ter cuidados. Quem tem problemas pulmonar, embolia, trombose e outras comorbidades tem que seguir fielmente aos protocolos pra não fazer parte dessas estatísticas. Pensem nisso, se cuida e se puder fique em casa.

Deixe um comentário