Para as crianças passarem o tempo na Onda Roxa de Itabira

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Era uma vez alguém que não tinha casa e então perguntaram-lhe:

– João Sem Casa, que sabes tanta coisa, do que vais tu fazer tua casa?

E ele respondeu:

– Para não sentir calor, vou fazer de gelo a minha casa.

E a casa de gelo de João Sem Casa ficou toda rosada ao sol, depois ficou dourada e depois… ficou nada… É que o sol a derreteu todinha, virando um charco.

– João Sem Casa, que sabes tanta coisa, do que vais tu fazer tua casa?

Outra pergunta veio

E ele respondeu:

– Para não sentir frio, eu vou fazer de fogo a minha casa.

E a casa de fogo de João Sem Casa era vermelha, depois cinzenta e depois negra. É que a chuva veio e apagou a casa que virou cinzas…

– João Sem Casa, pelo que já vistes e aprendestes, mais que ninguém, do que vais fazer tua casa?

E ele respondeu:

– Para não sentir fome, eu a farei de massa pão.

E a casa de João Sem Casa, feita de massa, de amêndoas pisadas e ovos de pata, que era alta, foi baixando, baixando, até que ficou nada… É que vieram quarenta mil ratos e a devoraram.

– João Sem Casa, que ainda sabes mais agora, do que vais fazer a tua casa?

E ele respondeu:

– Para não sentir aspereza, vou fazê-la de plumas.

E a casa de João Sem Casa pareceu primeiro uma nuvem, depois, uma neblina… É que o vento veio assobiando e a espalhou por aqui, por ali, porá além das montanhas, até que era uma vez…

– João Sem Casa, que sabes tanto, que sabes tudo e mais que todos, do que vais fazer a tua casa?

E ele respondeu:

– Para ter uma casa, vou fazê-la como fazem todos, talvez igual a de João de Barro.

E acabou a história e quem falar primeiro vai dormir com a vaca Estrela.

(Crônica popular, recolhida por Cristina Silveira)

Ilustração do dinamarquês Husk Mit Navni

 

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário