No ritmo atual de aumento da temperatura podemos atingir +1,5°C nos próximos 15 anos

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

EcoDebate – Os últimos seis anos foram os mais quentes registrados desde 1880, sendo 2016, 2019 e 2020 os três primeiros, de acordo com um comunicado de imprensa da Organização Meteorológica Mundial (OMM) em 15 de janeiro. O ano 2020 foi de 1,2°C acima das temperaturas da era pré-industrial (1880).

OMM prevê que há uma probabilidade de 20% de que o aumento da temperatura exceda temporariamente os 1,5°C já a partir de 2024.

“A velocidade com que as temperaturas estão aumentando é alarmante”, diz Pascal Peduzzi, diretor da GRID-Genebra, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). “Neste ritmo, podemos atingir +1,5°C nos próximos 15 anos”, advertiu.

No Acordo de Paris, os Estados Membros se comprometeram a limitar o aquecimento global bem abaixo de 2°C, de preferência a 1,5°C, em comparação com os níveis pré-industriais. Cada país signatário do acordo estabeleceu uma meta, conhecida como contribuição nacionalmente determinada (NDC) para reduzir as emissões de gases de efeito estufa por volta de 2030.

Em janeiro deste ano, António Guterres, o Secretário Geral das Nações Unidas, disse que 2021 foi um ano crítico para o clima, exigindo uma ação multilateral. Ele solicitou aos Estados-Membros que apresentassem suas Contribuições Nacionalmente Determinadas para reduzir as emissões globais em 45% até 2030, em comparação com os níveis de 2010.

Solicitou também aos doadores e bancos multilaterais de desenvolvimento que aumentassem a participação dos recursos financeiros destinados à adaptação de 20% para pelo menos 50% até 2024; e insistiu que os países desenvolvidos cumprissem seu compromisso de mobilizar US$ 100 bilhões anuais para a ação climática nos países em desenvolvimento.

Guterres também disse que é hora de parar de construir novas usinas de carvão e acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis.

O aquecimento global e a mudança climática serão temas-chave de discussão na quinta sessão da Assembleia do Meio Ambiente da ONU, organizada pelo PNUMA, a ser realizada este mês. O órgão decisório de mais alto nível do mundo sobre meio ambiente reúne representantes dos 193 estados membros da ONU, líderes empresariais, sociedade civil e ambientalistas de todo o mundo.

Crescente impulso para a ação

Em 2020, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera aumentou 2,57 partes por milhão (ppm), atingindo 4,14 ppm em dezembro, a maior concentração já registrada. O dióxido de carbono é o principal gás de efeito estufa, embora o metano e o óxido nitroso, gases de efeito estufa muito mais potentes, também estejam causando o aquecimento global.

Com o aumento da temperatura, também aumenta o impulso global para enfrentar a mudança climática. Na maior pesquisa mundial da opinião pública sobre a mudança climática, realizada recentemente, uma maioria exigiu uma ampla ação climática.

A pesquisa, que cobriu 50 países com mais da metade da população mundial, incluiu mais de meio milhão de pessoas com menos de 18 anos, um eleitorado chave para as mudanças climáticas que normalmente não são elegíveis para votar em eleições regulares.

A velocidade a que as temperaturas estão aumentando é alarmante. A este ritmo, podemos chegar a +1,5°C nos próximos 15 anos. Pascal Peduzzi, Diretor, GRID Genebra, PNUMA

Sala de Situação do Meio Ambiental Mundial do PNUMA, criada em 2019, é uma plataforma de demonstração estruturada por um consórcio de parceiros da Big Data. Ela inclui informações georreferenciadas, de sensoriamento remoto e de observação da Terra e reúne dados climáticos em tempo quase real.

O gráfico a seguir, desenvolvido pela plataforma, contém dados interativos sobre as tendências de aquecimento global.

The 10 Hottest Years On

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário