Mulheres em situação de vulnerabilidade devem ser assistidas

WhatsApp Pinterest LinkedIn +
Rafael Jasovich*

A pobreza menstrual se refere a mulheres que pela sua situação de vulnerabilidade não conseguem comprar absorventes.

Esta situação clama por solução porque traz problemas gravíssimos para essa população.

Em decorrência, elas faltam ao trabalho sem poder justificar a ausência, se sentem psicologicamente fracas, as vezes envergonhadas e diminuídas em sua condição de mulher.

Nas adolescentes o trauma é maior.

O SUS, que fornece camisinhas gratuitas nos postos de saúde, deveria aumentar sua participação neste problema social, primeiro oferecendo camisinhas femininas e também absorventes para as mulheres.

O estado de São Paulo já começou um programa de assistência muito inteligente que a União deveria copiar.

Escola estadual em Ubatuba tem programa piloto de combate à pobreza menstrual, que serviu de referência ao programa estadual paulista

As escolas estaduais paulistas vão receber R$ 30 milhões para o Programa Dignidade Íntima, para combater a pobreza menstrual.

A medida, lançada esta semana, pode atingir cerca de 1,3 milhão de meninas em mais de 5 mil escolas.

A verba será aplicada pela Secretaria da Educação por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola e vai beneficiar, principalmente, estudantes em situação de vulnerabilidade econômica e social.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), uma entre dez estudantes no mundo tem dificuldades para manter a higiene íntima, com impactos importantes na vida escolar.

Em 2014, a ONU reconheceu o direito à higiene menstrual como uma questão de direito humano e à saúde pública.

No Brasil, uma pesquisa coordenada pela antropóloga Mirian Goldemberg estima que uma em cada quatro estudantes já deixou de ir às aulas por não ter condições de manter a higiene no período das menstruações.

É mais um direito humano a ser contemplado e solucionado.

*Rafael Jasovich é jornalista e advogado, membro da Anistia Internacional

Foto: Felipe Nunes/Coletivo Fala Akari

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Será que alguém perguntou as essas mulheres se esse é o maior problema dela. Que ando o poder público fizer um pregão eletrônico sobre
    absorventes, vai ser um papel com algodão ou espuma que vai causar outras doenças, como alergia, corrimentos e sabe Deus o que mais. Toda escola particular, estadual ou municipal tem um quite de primeiro socorros, e lá tem absorventes. Projeto idiota.

Deixe um comentário