Marco Antonio quer atrair novas indústrias para Itabira, mas sem deixar de investir nas potencialidades locais já conhecidas

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Sem se esquecer que Itabira já foi, por diversas ocasiões, ludibriada por falsas expectativas, apresentadas por ex-prefeitos que criaram factoides irrealizáveis ao prometerem trazer grandes indústrias para Itabira, o prefeito eleito Marco Antônio Lage (PSB) disse, em entrevista a este site, que pretende fazer gestão para atrair novas indústrias para o município.

“Não se trata de criar falsas expectativas, mas de anunciar o que pretendemos fazer para atrair novos empreendimentos industriais, sem deixar de desenvolver as vocações já existentes no turismo, na educação, saúde. E também no agronegócio, que que é uma vocação que precisamos retornar.”

Mas paralelamente à busca de novos empreendimentos, o prefeito eleito considera ser imprescindível criar uma infraestrutura nos distritos industriais, ainda inexistente, o que inclui a oferta de água em grande volume. Só assim, diz, o município se torna atrativo para o mercado, que é globalizado.

Água, insumo imprescindível

“Ainda não estamos preparados para atrair empresas internacionais, mas vamos criar as vantagens competitivas. A questão da água é fundamental e a solução já está em curso com a assinatura de um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) pela Vale com o Ministério Público. Sem esse insumo essencial, Itabira não tem como atrair uma grande indústria.”

Para a equação do suprimento desse insumo fundamental, Marco Antônio pretende, paralelamente, aprofundar também a questão ambiental. Para isso, irá definir e implementar ações de reabilitação e incremento da economia sustentável na bacia do rio Tanque, da qual o tão necessário “líquido precioso” será captado.

“Vamos analisar todos os impactos para implantar as medidas mitigadoras e que incrementem também o agronegócio ao lado da recomposição de matas ciliares e proteção de nascentes”, diz o prefeito eleito.

Segundo ele, o empresário moderno não instala os seus empreendimentos em municípios que não têm os cuidados imprescindível com o meio ambiente, até porque pode impactar negativamente e encarecer os investimentos necessários.

Além disso, ele considera que a solução imediata para o abastecimento de água na cidade é crucial, primeiramente, para suprir a crescente demanda da população e dos novos moradores que virão com a instalação de novas indústrias.

“Vi muitas torneiras com água barrenta nas residências, principalmente nos bairros mais populosos de Itabira. Isso não pode continuar, o consumo humano é prioritário para que se tenha uma água suficiente, tratada e de ótima qualidade para que todos tenham qualidade de vida”, ele promete corrigir.

Investidores

Mas o prefeito eleito garante que não vai esperar o município dispor de toda infraestrutura necessária para já fazer contatos com possíveis investidores. “Temos contatos com câmaras comerciais Brasil/Itália, Brasil/Japão, com a Europa”, diz, prometendo entrar, desde já, em contato com potenciais investidores.

“Itabira tem que entrar em todas as disputas”, é a aposta que ele faz, citando como exemplo a cidade de Uberaba, que vai inaugurar uma fábrica de lâmpadas Led, um investimento de empreendedores espanhóis com potencial de gerar mais de 140 empregos diretos.

Outro segmento importante, e que tem atraído muitos investidores estrangeiros, é o turismo, ele relaciona. “Na medida em que as áreas mineradas forem exaurindo, temos que pensar em como ocupa-las para atrair turistas. Podemos ter um museu aberto da mineração em Itabira com vários atrativos”, vislumbra o prefeito eleito para o futuro, mas que, segundo ele, deve ser pensado desde já.

Parque estratégico

“Vamos buscar atrair parcerias privadas de vários segmentos, na logística, num porto seco e ter aqui um hub (conexões) logístico, com empresas também acopladas e incrementadas pelo Parque Científico e Tecnológico. Vamos ficar atentos à movimentação desses investidores”, promete Marco Antônio Lage.

Para o prefeito eleito, o parque científico e tecnológico é estratégico para o desenvolvimento diversificado da economia local. E não deve esquecer de outras vocações já delineadas, a exemplo da saúde que tem potencial para desenvolver a medicina de média e alta complexidade.

Tudo isso, diz, além de o município avançar no campo da educação, tanto do ensino básico, como também superior, com abertura de novas faculdades em todas as áreas do conhecimento.

“Não temos mais tempo a perder. Para isso vou propor um pacto para o desenvolvimento envolvendo a sociedade itabirana, a empresa Vale e outros parceiros que virão ao tomarem conhecimento do potencial que Itabira apresenta”, acredita o prefeito eleito.

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

3 Comentários

  1. Se eu disser que fiquei triste com estas palavras de nosso prefeito , podem acreditar que sim, sim muito desolado . Mas não só eu ; , e tirando uma pequena minoria de abastados que não se deram bem pelos seus méritos profissionais,, garanto que a cidade toda . ;Pensar que por anos e anos Itabira viveu na inércia, sem representatividade , sem moral e estagnada tendo a frente pessoas incapazes cumprir pelo menos as promessas que inventaram para se estabelecer no poder maléfico e insensível com as causas populares é deprimente . Se o novo prefeito fizer 10 por cento do que está propondo já estara superando uns vinte anos de atraso administrativo em nosso município. Muito triste talvez possa até ser pouco para esse povo que por este tempo tudo viveu a míngua enquanto poucos engordavam as suas contas e emprendimentos ilicititos . Triste por saber que este novo prefeito demorou a aparecer para espurgar esta falta de vergonha e respeito para com os nossos munícipes.

  2. Pingback: Marco Lage quer atrair indústrias, mas investindo nas potencialidades locais – Átila Lemos