Mandetta adverte para o risco de uma mega-epidemia no país, enquanto Zema flexibiliza restrições na onda vermelha

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

De acordo com o que definiu o comitê extraordinário do programa Minas Consciente, em reunião nessa quarta-feira (27), mesmo os municípios que estiverem na onda vermelha podem manter as atividades não essenciais abertas.

Isso mesmo com o avanço da pandemia com o novo coronavírus avançando em todo o estado – e com a ameaça de ocorrer no país uma “mega-epidemia” no prazo de 60 dias, conforme adverte o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

O ex-ministro da saúde está preocupado com a disseminação da nova variante do coronavírus registrada em Manaus, no Amazonas.

Já o governo de Minas Gerais, preocupa-se com a crise econômica no estado e com a queda de arrecadação. E apresenta a flexibilização na terceira edição do Minas Consciente como uma “modernização” das medidas restritivas.

É assim que justifica a fase 3 do programa pelo fato de já se ter, ainda em fase incipiente, lenta e insegura, dado início à campanha de vacinação no estado.

Com isso, ainda com a pandemia sem controle, mesmo na onda vermelha todas as atividades econômicas podem funcionar, com medidas restritivas que, na prática, são pouco observadas.

“Com a chegada das vacinas, temos a oportunidade de aperfeiçoar o programa com essa terceira edição, promovendo a flexibilização das atividades econômicas”, disse em coletiva de imprensa o secretário de Estado da Saúde, o médico Carlos Eduardo Amaral.

Reunião do comitê extraordinário do Minas Consciente decide pela flexibilização do comércio mesmo na onda vermelha (Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG). No destaque, paciente é atendido em hospital de municipal de campanha, em Manaus (Foto: Ingrid Anne)

Risco iminente

Para o ex-ministro Mandetta, não é hora de baixar a guarda mesmo com o início da vacinação da população. Segundo ele, o país vive mais uma grande crise epidemiológica com a nova variante do vírus vindo de Manaus.

“O mundo inteiro está fechando os voos para o Brasil, temendo por essa nova onda”, disse ele. Isso enquanto “pacientes do Amazonas são transferidos para outros estados sem fazer bloqueios de biossegurança, critica o ex-ministro.

O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta adverte para o risco de uma mega-epidemia com a disseminação da nova cepa vinda de Manaus

Mandetta teme pela propagação da nova cepa em todos os estados brasileiros. “Daqui a 60 dias podemos ter uma mega-epidemia no país”, adverte.

Segundo ele, o governo federal ficou ao lado do vírus e continua desdenhando com o número de mortos no país, disse o ex-ministro ao participar de um programa de entrevista na TV Cultura de São Paulo.

O alerta do ex-ministro ocorre quando o Brasil já ultrapassa a casa de mais de 220 mil óbitos pela doença, com registro de 63.520 novos casos nessa quarta-feira. Já são quase 9 milhões de brasileiros infectados pelo vírus que assusta e paralisa todo o mundo.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Pingback: Na onda “modernizante”, Itabira adota medidas mais restritivas e flexibiliza outras mesmo com a nova cepa de Manaus - Vila de Utopia

Deixe um comentário