Incêndio florestal na Serra dos Alves foi provocado por fogos de artifício

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Quando se pensa que as queimadas e os incêndios florestais chegaram ao fim com o quase término da estiagem, retornam com força ameaçando unidades de conservação e atingindo áreas florestais próximas da cidade e nos distritos de Ipoema e Senhora do Carmo.

Incêndio florestal no povoado Serra dos Alves foi provocado por fogos de artifício, na celebração em homenagem à Nossa Senhora Aparecida (Fotos: Lucas Fonseca/IEF e Carlos Cruz)

Foi o que ocorreu no povoado de Serra dos Alves, na zona de amortecimento do Parque Estadual Mata do Limoeiro. “O incêndio foi provocado por fogos de artifício durante a celebração em homenagem à Nossa Senhora Aparecida”, conta Alex Luiz Amaral, gerente do parque.

O fogo consumiu a vegetação e a biodiversidade local entre os dias 12 e 14 deste mês, atingindo mais de 240 hectares. Só foi debelado com apoio dos brigadistas do parque, além de voluntários da própria comunidade e da força tarefa do Instituto Estadual de Florestas (IEF), estabelecida em Curvelo.

Helicóptero do IEF chegou no terceiro dia e apoiou os brigadistas no combate ao incêndio

Participaram do combate também equipes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), uma vez que o incêndio atingiu terras adquiridas pela empresa Vale – e que serão incorporadas à porção oriental do Parque Nacional Serra do Cipó.

“No terceiro dia do incêndio, conseguimos o apoio do helicóptero do IEF, que estava combatendo outro incêndio no parque estadual Serra do Papagaio, no sul de Minas”, diz o gerente do parque.

Segundo ele, o incêndio na Serra dos Alves atingiu não só a vegetação natural, mas também causou a morte de muitos animais, com destruição de ninhos e ovos de pássaros. “Um incêndio florestal sempre causa perdas vegetacionais e um desequilíbrio ecológico muito grande”, lamenta. “Foi um dos maiores incêndios florestais ocorrido na zona de amortecimento do parque.”

Incêndio na mata do Chacrinha impede a passagem do trem

Na Mata do Chacrinha brigadistas combateram incêndio que atingiu a linha férrea

No entorno da cidade de Itabira, as queimadas continuam ameaçando e tornando o ar ainda mais poluído. Nessa quarta-feira (18/9), um incêndio atingiu a mata nativa da Chacrinha, preservada pela Vale. Segundo um morador vizinho, foi provocado por gente da região – e que todo ano coloca fogo no local.

Por volta das 15h, o fogo atingiu a linha férrea, impedindo a passagem de uma locomotiva com vagões vazios, que seguia para ser carregada na estação João Paulo.A composição ficou retida por mais de uma hora na curva da antiga Vila 105. Só seguiu em frente depois que o fogo foi debelado pelos brigadistas da mineradora.

A passagem do trem só foi liberada com o fim do incêndio

Para combater incêndios florestais na região, a empresa conta com brigadistas da Associação Mineira de Defesa Ambiental (Amda), que mantém base em Itabira e também em outros municípios da região.

Além disso, a mineradora protege as suas unidades de conservação com abertura de aceiros (faixa de terra limpa e que impede a propagação do fogo pelas florestas), mantidos em locais estratégicos.

E disponibiliza o telefone 0800 285 0193 para a população relatar casos de incêndios em suas áreas florestais.

Compartilhe.

Sobre o Autor

5 Comentários

  1. Deveriam colocar fogo é nos rabos deles. Nossa Senhora Aparecida não está nem aí para estes cidadãos que vivem a soltar fogos de artifícios e manda avisar que ela não é surda, basta pedir em silencio e avisa que de acordo com os pedidos que chega, e como são muitos, vai tentando resolver. Mas reafirma seu pedido, não solte fogos, não sou surda, solte amor, e plante uma arvore.

  2. COMUNIDADE SERRA DOS ALVES on

    NOTA DE ESCLARECIMENTO
    A Comunidade da Serra dos Alves vem por meio desta esclarecer que o incêndio ocorrido, entre os dias 12 e 14 de outubro, não foi provocado por fogos de artifício durante a celebração em homenagem a Nossa Senhora Aparecida.
    Prestamos nossa solidariedade ao Sr. Januário Antônio da Silva, morador da Serra dos Alves, que foi indevidamente acusado pelo ocorrido.
    A Polícia Ambiental já está investigando o caso.
    A Comunidade ajudará no que for preciso.
    Ass. Comunidade da Serra dos Alves

    • A reportagem não cita o senhor Januário como responsável, mas diz que o incêndio foi causado por fogos de artifício, versão que prevalece até então.Vamos aguardar as investigações e prestar os esclarecimentos necessários. Fogos de artifício deviam ser proibidos em locais suscetíveis a incêndio florestal, como o que atingiu Serra dos Alves.Aliás, deviam ser proibidos em qualquer evento. Provocam poluição sonora e podem provocar outros acidentes graves. Fica a sugestão: proibir a queima de fogos de artifício em Serra dos Alves.

  3. 28 de outubro
    Filha do ser Januário o comentário desse insedio não foi meu pai pois o fogo começou antes do meio dia,não tinha festa nem uma na igreja neste horário a celebração foi as 19 horas que levantou a bandeira de nossa senhora Aparecida . No horário do fogo meu pai estava la em casa ele mora la na beira do rio o fogo foi colocado la na Serra. Meu pai tem 75 anos,foi nascido no lugar e criado,sempre soltou fogos me levantamento de bandeira no lugar numa aconteceu isso. Agora é muito fácil os visitantes saírem acusado meu Pai sem prova me. Ate concordo que fogos polui sim o meio ambiente só acho que não podemos acusar as pessoas sem prova. Isso vai ter que ser apurado.

Deixe um comentário