Imunização segue lenta, enquanto a pandemia no país se agrava. Itabira já vive situação de pré-colapso do sistema de saúde

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Segundo informa a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), pela primeira vez, desde o início da pandemia, verifica-se em todo o país o agravamento simultâneo de diversos indicadores, como o crescimento do número de casos, de óbitos, a manutenção de níveis altos de incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), alta positividade de testes e a sobrecarga de hospitais.

De acordo com boletim extraordinário, “Nota Técnica Extraordinária do Observatório Covid-19 Fiocruz apresenta um conjunto de dados, envolvendo casos, óbitos e taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no país e relativas ao SUS, observadas no dia 01 de março em contraponto àquelas divulgadas na última semana, obtidas em 22 de fevereiro de 2021, e divulgadas no último boletim: https://portal.fiocruz.br/noticia/boletim-do-observatorio– covid-19-destaca-aumento-de-obitos-e-alta-ocupacao-de-leitos.”

E conclui: “os dados apresentados, embora alarmantes, constituem apenas a ponta de um iceberg de um patamar de intensa transmissão no país.”

Situação é também grave em Itabira

Essa gravíssima situação epidemiológica não é diferente em Itabira. Ainda desatualizado, nesta sexta-feira (5) pela manhã, o site Itabira no Monitoramento da Covid-19 apresenta uma taxa de 85% dos leitos de UTI/SUS, mas informação que chega a este site é de que já atingiu a preocupante marca 90%.  E os leitos de convênios médicos no hospital Nossa Senhora das Dores já estão 100% ocupados.

Nessa conjuntura epidemiológica, é urgente que o prefeito Marco Antônio Lage (PSB) baixe decreto determinando o fechamento de todo o comércio e serviços não essenciais, como ocorreu em março do ano passado. Esse lockdown deve ser regional, como defendeu o prefeito em recente pronunciamento pela rede social.

Não há outra saída, antes que o sistema municipal de saúde entre definitivamente em colapso, como já está ocorrendo. Sem vagas nas UTIs, não demora ser vista em Itabira a trágica cena de pacientes em estado grave não serem atendidos por não haver mais vagas nas UTIs dos dois hospitais da cidade.

Vacinas

Com o repasse de mais um lote de 1 mil doses à Prefeitura, na quarta-feira (3), pela Gerência Regional de Saúde (GRS), a próxima etapa agora é imunizar pessoas de 85 a 87 anos.

Para isso, já nesta sexta-feira será aplicada a primeira dose nos idosos de 87 anos. Já no sábado será a vez de imunizar idosos de 86 anos. E na segunda-feira, os idosos com 85 anos.

A campanha segue pelo sistema de drive-thru no estacionamento da Fundação Comunitária de Ensino Superior de Itabira (Funcesi), no horário de 9h às 16h30, inclusive no sábado. Para mais informações ligue para os telefones da Secretaria Municipal de Saúde (SMS): 3839-2608, 3839-2649 e 3839-2289.

Para receber a primeira dose, o idoso deve apresentar carteira de identidade, CPF, comprovante de endereço, cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e caneta para assinatura do protocolo de recebimento da vacina.

Critérios

Um número maior de idosos já poderia ter sido vacinado em Itabira, se não tivesse sido priorizada a imunização de profissionais de saúde que não estão na linha de frente no enfrentamento à Covid-19, inclusive de quem trabalha em farmácias e clínicas particulares.

Segundo o vacinômetro da SMS, até quarta-feira (3), de um total de 5.571 doses já aplicadas em Itabira, 4.559 doses foram para imunizar profissionais de saúde, com a primeira e segunda doses, o que representam 81,8% dos imunizantes já aplicados. Isso enquanto apenas 764 (13,7%) idosos receberam a primeira dose.

As outras doses serviram para imunizar 205 internos de instituições de longa permanência (1ª e 2ª doses), 23 para residência exclusiva de jovens e adultos com deficiência (1ª dose), 20 para aplicadores (1ª e 2ª doses).

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário