Com grandes estrelas à disposição, Cuca ainda não acertou o Atlético para ser competitivo na Libertadores

WhatsApp Pinterest LinkedIn +
Luiz Linhares*

Enfim, foi encerrada a primeira fase classificatória do campeonato estadual. Sem fugir à regra, classificaram-se os grandes do estado, Atlético, América e Cruzeiro, além do Tombense, que é time de investidor – e que participa de atividades ao longo de todo do ano, diferentemente dos demais times mineiros que, em sua maioria, são formados para três a quatro meses e sem um planejamento adequado.

Nesta fase que chega, semifinais, ninguém mais contesta a eficiência ou não da disputa. E começa a guerra da rivalidade e a busca para se ter o topo como conquista, ao fim, sorrisos ao vencedor e o chão, tipo um clima de terra arrasada, para quem perde.

Nada foi muito diferente de anos passados. O Atlético por força de investimentos e mesmo assim com situação de instabilidade entre torcida, comissão técnica e diretoria, fez a melhor campanha e carrega o favoritismo por ter um grupo super qualificado e experiente. E que se faz forte na hora do tormento e que quando exigido tem peso de resposta.

É o que se espera obviamente. No futebol são onze contra onze e aí as diferenças se fazem presente. É sempre bom lembrar também que entre um jogo e outro para o Atlético tem uma Libertadores das Américas, que é a porta maior de conquista da América.

O começo nesta disputa foi bem difícil para o treinador Cuca, no Atlético. Isso porque o time está jogando mal mesmo vencendo e empatando, sem a força do grupo para dar muita resposta no momento.

A grande estrela a peso de ouro é o Hulk que veio a público e disse de sua insatisfação em não ter a titularidade e de precisar disto para um melhor rendimento, adaptação e por aí.

Cuca tem o aval do grupo de investidores. São muitas as opções à disposição do treinador, mas somente onze podem ganhar a titularidade. Daí que é necessário ter aval, força junto ao grupo e jogadores focados no projeto traçado.

O que não pode é o Atlético se caminhar para a vaidade, para o grito maior se fazer presente, pois isso tende a frustrar mais uma vez seu torcedor. Se tomar uma ação errada certamente desencaminha outras tantas.

O certo é diretor Rodrigo Caetano, em conjunto com os mandatários, esses a fundo por dentro de tudo que por lá nos bastidores rola, precisam ter a condição exata de saber o que melhor é em prol do Atlético.

Esse cronista, sem muito conhecimento, entendo que a titularidade se ganha com competência, com mostras ao longo da oportunidade que recebe, Mas por outro lado o treinador ganha a confiança com o comando do grupo. E com trabalho que desenvolve ao longo do tempo, simplificando e dando tempo ao tempo, pode obter o crescimento do time ao longo da caminhada.

É preciso aguardar para ver o que acontece. Nesta terça o Atlético tem uma prova crucial ao estrear em casa na Libertadores, depois do fracasso fora com empate. Um novo fracasso vai refletir em mudanças, com certeza.

Cruzeiro vai se acertando em campo, com o objeto principal de retornar à elite do futebol brasileiro

Felipe Conceição monta time para ser competitivo na série B para retornar à elite do futebol brasileiro (Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro)

O Cruzeiro volta a disputar a semifinal do Mineiro. Isso depois de, no ano passado, o primeiro ano como rebaixado à série B do Brasileiro, não conseguir o retorno à série A.

Mas como já afirmei, também nesse caso é preciso dar tempo ao treinador, para que ocorra a evolução necessária no time para se tornar competitivo neste ano.

Ninguém pode negar ao Felipe Conceição que ele tem conhecimento. Mexe aqui e ali e vai aos poucos encontrando o time base para encarar e buscar o acesso a divisão principal nacional.

Não é meta do Cruzeiro e acho que o seu torcedor sente isto, mesmo tendo vencido o clássico na fase classificatória, vencer o Estadual, mas tem poder para brigar e lutar para não fazer feio na competição, crescendo dia a dia.

O Cruzeiro é um experimento para o ano, Na última rodada o time goleou o adversário, situação que há muito não se via acontecer. Vai se acertando passo a passo, se armando e arrumando, beliscando por fora uma Copa do Brasil e assim segue na competição. O hoje para o time celeste já é muito melhor que o ontem e assim vai seguir.

Com goleada, América mostra favoritismo para disputar a final do Mineiro

O técnico Lisca desconversa quando se fala em favoritismo contra o Cruzeiro: “clássico é clássico”, desconversa (Foto: Maira Almeida/América)

Já o América fez bonito na última rodada classificatória. Aplicou a maior goleada até então na disputa estadual, com mão cheia em Patos de Minas. E mais uma vez mostrou jovens atletas promissores de sua base, além do Bruno Nazário que foi contratado após passagem pelo Botafogo.

E reintegrou o Ademir que parece não vai mais para o Palmeiras. Assim o América busca ser forte no Brasileirão que já bate à porta. Entra na semi do mineiro acho que com favoritismo para o duelo contra o Cruzeiro estrelado. Tem força para almejar este estadual e um ano bem interessante também.

Sou defensor dos campeonatos estaduais. E, como itabirano, fico triste por não mais ter o Valeriodoce Esporte Clube no campeonato Mineiro, assim como por não ter um campeonato amador de qualidade na cidade. É assim que entendo as dificuldades para os times pequenos e principalmente do interior.

O Tombense pertence a empresário e tem recursos. Entra na disputa como azarão. Mas vejo um time bem montado, nada mais que isso, com jovens atletas em busca de um lugar ao sol.

Mas para mim será uma grande zebra, ou algo bem anormal, se este time da zona da mata mineira chegar à decisão estadual.

*Luiz Linhares é diretor de Esportes da rádio Itabira-AM

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário