Bode expiatório: Bolsonaro pretende entregar o ex-ministro Pazuello para se salvar na CPI da Covid no Senado

WhatsApp Pinterest LinkedIn +
Rafael Jasovich*

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, do Senado Federal, nem bem foi instalada e a traição nas hostes do governo Bolsonaro já começou.

Em entrevista exclusiva à edição desta semana da revista Veja, o olavete Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação da Presidência da República, jogou toda a culpa pelas mortes na pandemia da Covid-19 nas costas do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde.

Recém-defenestrado do governo, o ex-secretário de Comunicação garante que “houve incompetência e ineficiência” do ex-ministro da Saúde no combate ao novo coronavírus, principalmente na compra das vacinas.

Com isso, ele tenta livrar a cara do presidente. Mas as suas respostas não convencem.

Quando o ex-ministro da Saúde mandou comprar 40 milhões de doses da Coronavac, foi o próprio Bolsonaro quem mandou suspender o negócio da China.

Logo após, em entrevista gravada, Pazuello disse que ¨um manda, o outro obedece”, confirmando que fora o “chefe” quem mandou cancelar a compra que salvaria muitas vidas.

Portanto, a culpa pelo desastre mortal que o país vive, verdadeiro genocídio brasileiro, é do presidente Jair Bolsonaro. E isso a CPI, se for mesmo séria, vai comprovar.

Além do mais, em sua defesa, o governo enviou 23 itens – e quem lê o seu conteúdo, percebe que se trata de uma confissão de culpa.

Resta ficar atento e aguardar o desfecho da CPI que, espera-se, não termine em “pizza” como tantas outras.

*Rafael Jasovich é jornalista e advogado, membro da Anistia Internacional

No destaque, o ex-ministro Pazuello entra sem máscara no shopping Manauara, em Manaus (AM), desrespeitando lei estadual que torna o acessório obrigatório em ambientes fechados coletivos (Foto: Reprodução)

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário