A Covid-19 é revolução

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Brasil rumo às 500 mil mortes!

Sem política, é fascismo!

… Por que vocês não sabem / Do lixo ocidental …

Por Cristina Silveira, dos jardins plantados à beira-mar/Rio

 

A Covid-19 é uma ação revolucionária da Natureza/Ecologia, não é uma guerra seletiva de homens de poder. É uma provocação extremista. Está posto que a sua origem não é artificial, é consequência do Progresso e da Ordem. É uma reação ao ECOCÍDIO!

O inimigo invisível, o parasita ambulante a assustar o mundo, o alterador radical do sentido das coisas, é uma revolução armada de fome pela sobrevivência do virulento, do invasor dos corpos de uma sociedade monstruosa.

A Covid-19 fez explodir o sentimento de ódio acumulado na penitência dos pecadores. É radical, pancadão na história do pensamento moralista da classe média branca, atracada no slogan de ódio de classe: Deus acima de todos e o dinheiro acima de tudo.

Do lado oposto, a amiga Márcia Carlos, católica militante, afirma: “Deus não está acima de todos. Deus está entre nós”, e é, o que me parece, o inteligente a professar.

A repetição. Os militares do Exército estão assanhados para reabrir a Casa da Morte, em Petrópolis (RJ). Não lhes basta o genocídio, é preciso que o sangue lhes escorra quente nas mãos calejadas na tortura da ditadura de 64.

Os guardas de esquinas estão tocando o horror no Rio de Janeiro, todo dia. Invariavelmente todo dia alguém é assassinado ou é barbarizado com o mata-leão, por estar na rua, na praça, na porta de casa.

O camarada Chico Buarque apontou a miserabilidade carioca: “Todo dia tem uma coisa terrível acontecendo, é o fim de linha da civilização no Brasil”.

Sou Sua Fã, uma linda mulher de Copacabana/Rio (Fotos: Cristina Silveira)

Abaixo o Patriarcado!

Os vírus não são protozoários, a Terra não é plana. Afirmações de significados indiscutíveis, não fosse a imbecilidade criminosa a contrariar a ciência à luz de genocidar, de institucionalizar a necropolítica da ditadura militar-miliciana a sufocar o país.

Mas nada dura para sempre, menos dura em tempo virtual. Em ambiente da era líquida na CPI da Covid-19 os fatos se encarregam de esclarecer a verdade, descortinam o crime organizado, planejado nos Gabinetes, do Ódio e das Sombras.

Dialética do fim e do recomeço: lambe-lambe na Lapa, Rio

O Claro Enigma de alguns depoimentos na CPI da Covid-19:

-Mulheres de direita!

A bancada feminina está dando banho de inteligência, clareza e objetividade no respeitável Senado da República. Atenção nobres excelências, as mulheres não são de guerra, são de luta!

 -Sigilo quebrado. Vai vazar!

De que nos servem as três estrelas? Pela primeira vez na história dos militares, eles são inqueridos por civis e vale salientar que, tratados com respeito.

A presença deles no Senado foi um espetáculo de mitomania da farda, expôs o despreparo e fragilidades das Forças Armadas.

O que seria do país em situação de guerra? Com a Venezuela, por exemplo? Ninguém erra a resposta: seria destruído em poucas horas.

-Princípio não se negocia!

A microbiologista Natália Pasternak e o médico sanitarista Cláudio Maierovitch, formados pela universidade pública, foram francos, diretos, didáticos, despojados de papelorium e tudo isso com humor.

Natália e Claudio responsabilizaram o Governo de, no mínimo, 375 mil mortes evitáveis com vacina. Crime de Estado! Genocídio brasileiro.

-Médicos cloroquiners!

Eles sabem o que fizeram e estão apavorados entre o artigo 18 do Código Penal, a bíblia, o psicotrópico, o uísque.

Eles e elas devem enfrentar, nos tribunais, as vítimas do tratamento precoce e da Covid. Estarão diante da AVICOM-Associação das Vítimas da Covid-19.

-Vendetta carioca!

… Eu sou da América do Sul … Sou do ouro, eu sou vocês /Sou do Mundo, sou Minas Gerais. (Lô Borges)

O depoimento do ex-governador do Rio, Wilson Witzel, foi bomba de pataco no centro da CPI ao colocar em pauta o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). O que será que será dito na sala secreta do Senado, tanto poderá ser ou não será… mas vai vazar…

Quem mandou matar Marielle Franco? Conta tudo, Witzel.

O Brasil não é uma Nação, é uma esculhambação doente.

Ouro de tolo! Uma notícia ruim, muito ruim: já começou a expropriação da nova fronteira dos minérios, agora é a  vez dos diamantes na Amazônia brasileira, em solo indígena.

O capital internacional já está tomando conta do negócio, com a inestimável missão cumprida do ministro Ricardo Sales, os vírus ocupam a selva.

A maior, a mais completa violência que se faz à Terra é de responsabilidade da mineração.

Itabira

Jornal da República, 1980

Há muitos anos a Câmara Municipal é ocupada por comedores de minério de ferro no chão da mina, mentes britadeiras que pensam a Cidade como boca de mina, como arquitetura “Centralizada” ou como o curral abaixo da varanda de suas fazendinhas.

A Vale S/A não para, replica a Covid pela cidade e a cidade dorme alienada.

Também não se importa o presidente do Sindicato Metabase e representante dos trabalhadores no Conselho da Vale S/A porque é fazedor da necropolítica, é bolsonarista. Vale (S/A) é tudo em Itabira. Ódio à essa canalhada!

Tudo isso dá um desgosto danado na gente, e não é pessoal, é porque obscurece a perspectiva de futuro da Cidade.

A crônica “Homens Medíocres”, do jornalista Austregésilo de Athayde, sobre os dirigentes da vida pública brasileira em 1947, não surtiu efeito prático.

Na década de 80 o deputado Constituinte, Ulisses Guimarães, anteviu a progressão do pior “pelas mãos dos incapazes e ao sabor das improvisações mais alarmantes”.

Nem mesmo o sábio Ulisses imaginou o flagelo na presidência da República e na “Casa de Vidro”, ocupadas por um preguiçoso, sujo, vulgar, asqueroso, esgote.

Fora, Bolsonaro!

Eu desejo à todas, todis e a todos: Vacina no braço, comida no prato e cachaça no copo.

No destaque, lambe-lambe nos arcos da Lapa/Rio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

4 Comentários

  1. Isabel Lacerda de Oliveira on

    Um blog tão importante em Itabira, dando voz a uma idiota? Fora! essa Cristina, que escreve errado, não acerta na pontuação e é eivada de ódio.

  2. Cara que texto em Maria Cristina!
    Parabéns
    Infelizmente vivemos e sentamos a mesa junto a este bando de gente que se diz cristão, mas estão longe disto, querem mesmo é viver sua vida sendo servidos por empregadas domésticas de maneira escravagista.
    Deu no que deu
    #FORABOLSONARO

  3. Cristina Silveira on

    Isabel, semti-ne lisonjoeda com as seu comentarios sobre eu. é verdadi, eu escrevo erado mesmo. Te esplico, o previlegio de iscrever aqui é porque sou amante do editô, sô muito gostasa e ele faz tudo qui eu quero.

Deixe um comentário