40 anos do jornal  O Cometa, um grande acontecimento itabirano

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

José Norberto de Jesus*

Já faz um tempo que o mensário deixou de circular, mas os antigos continuam exercendo outras atividades. O que era passatempo para uns, tornou ferramenta de trabalho para outros. Dentro dessa linha de percepção pode-se dizer que uns se tornaram jornalistas de carreira ou assumiram profissões próximas à Comunicação, meu caso, que me tornei produtor cultural, em virtude das oportunidades da época.

Fato raro no jornal O Cometa: “este número não contém Drummond”. No destaque, público no festival de roque UAI, promovido por Bitinho (Fotos: Eduardo Cruz)

Não custa lembrar que a minha passagem pelo jornal foi curta, coisa de pouco mais de um ano… Assim foi que conseguimos a sustentabilidade do jornal, tendo, inclusive, como anunciante a empresa Cia Vale do Rio Doce.

Mérito do então responsável pela Comunicação da mineradora, o senhor Ceomar de Paula Santos, que, à época, recebeu-me e deu a atenção devida. Naquele tempo, O Cometa já era um ferrenho crítico da mineradora…

Talvez naquele dia de encontro com o Ceomar, ele provavelmente deve ter se relembrado de sua juventude, quando em seu tempo, foi criada a edição anterior à nossa. Certamente isto deve ter ajudado na defesa do Ceomar frente aos dirigentes da então estatal.

Certo é que o mensário desfrutou por bons 25 anos dessa iniciativa, naquela época, ousada, pois, captar anúncios na empresa era algo impensável, mas que vi com naturalidade, uma vez que estava recém chegado de São Paulo, e , por lá , víamos a relação comercial com muita naturalidade, pois sabia como funcionava. Pois bem, foi bom enquanto durou.

(Bitinho)

________________________________________________________________

O telefone celular toca chamando-me. Atendo. Do outro lado da linha, uma voz bastante conhecida e identificada se anuncia:

– Alô Bitinho, aqui é o Carlos Cruz;

Respondo: Sim, bom dia, Carlos.

Carlos. sem tempo para delongas, foi logo dizendo:

Elba Ramalho com Carlinhos de Jesus, dançarino e coreógrafo, no festival UAI

Ô Bitinho, O Cometa está completando 40 anos e você teve um papel importante nessa trajetória. Nós estamos contactando pessoas que trabalharam no jornal para escreverem algo sobre experiência e deixar registrado no site Vila de Utopía

Respondo-lhe: Carlos ando meio ocupado com os 35 anos do UAI (Um acontecimento em Itabira, que reuniu “feras” do rock nacional), que vamos também comemorar, essa história que ainda anda viva no imaginário das pessoas, principalmente daquelas que curtiram as três edições do Rock UAI. Mas, enfim,…

Carlos retoma a fala: Então, pois é, o UAI aconteceu na mesma época do Cometa… Respondi-lhe afirmativamente.

Pois então, você pode contar essa história lá no Cometa. UAI… vou pensar…

Carlos: Você tem um tempo, pois vamos publicar durante todo o mês de novembro, período de início do jornal.

Bitinho: Vou ver aqui, respondendo-lhe. Estou escrevendo o resgate do UAI e o Mauro Moura, ficou de dar uma atenção à exposição que pretendemos realizar… Encaminho o texto para ele, que pode fazer as adequações e te envia. Pode ser assim?

Carlos: Pode sim, respondeu.

Bitinho: Então, estamos combinados, assim que estiver pronto repasso para você.

Agradeci. Ele também agradeceu e desligou.

*José Norberto de Jesus, o Bitinho, foi o primeiro publicitário do jornal O Cometa Itabirano. Atualmente é produtor cultural em Itabira

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

3 Comentários

  1. Êba…os 40 anos do Cometão não poderiam passar em branco. Até hoje guardo vários exemplates dos anos 90. Era um Oásis mensal de vida inteligente, em meio a tanta mesmice nessa cidade.

  2. A FEMA, laboratório fotográfico criado na época do cometa também tem história. Fernando Gonçalves (Nandinho) e Magalhães foram o início e como a coisa segui ficou Fernando, Eduardo, Marcelo e Altamir, com o passar do tempo Incorporamos o H e virou FHEMA, com a chegada do Humberto. Algum tempo depois funcionando no Pará. Junto a FHEMA, tínhamos também o Cine Clube Lima Barreto, que tinha como idealizadores o Nandinho, Zanon, Sérgio Russo. Depois, bem depois, vieram o Xilas e o Ivan stefellic. E as nossas musas inspiradoras.

Deixe um comentário