Vacinação desigual favorece novas mutações e coloca todos em risco

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Além de levar a um novo pico de casos e mortes, a desigualdade de distribuição dos imunizantes leva a variante Delta a se espalhar pelo mundo

ONU Brasil – Na segunda-feira (12), o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom, acusou uma lacuna global “extremamente irregular e desigual” no fornecimento de vacinas.

Ele explicou que, além de levar a um novo pico de casos e mortes, a desigualdade de distribuição dos imunizantes leva a variante Delta a se espalhar pelo mundo.

Hoje ela está presente em mais de 104 países e a OMS prevê que ela se torne a variante da COVID-19 dominante na circulação mundial em breve.

O chefe da OMS explicou que, embora a variante Delta esteja se espalhando rapidamente em lugares com alta cobertura vacinal, em países com baixa cobertura vacinal a situação é particularmente ruim. “Estamos no meio de uma pandemia de duas vias, onde quem tem e quem não tem entre os países são cada vez mais divergentes”, ressaltou.

“Delta e outras variantes altamente transmissíveis estão causando ondas catastróficas de casos, que estão se traduzindo em altos números de hospitalizações e mortes. Mesmo em países que conseguiram evitar as primeiras ondas do vírus apenas por meio de medidas de saúde pública, estão agora em meio a surtos devastadores ”, disse ele.

Tedros acrescentou que em países de baixa renda, trabalhadores de saúde exaustos estão lutando para salvar vidas em meio à escassez de equipamentos de proteção individual, oxigênio e tratamentos.

Uma floresta em chamas – O diretor-geral da OMS explicou que as vacinas nunca foram a saída da crise por conta própria, mas a onda atual está demonstrando que “elas são uma ferramenta poderosa”.

“Estamos passando por um agravamento da emergência de saúde pública que ameaça ainda mais vidas, meios de subsistência e uma sólida recuperação econômica global. Definitivamente é pior em locais que têm poucas vacinas, mas a pandemia não acabou, em nenhum lugar”, destacou.

Usando a metáfora de uma floresta em chamas, ele reiterou que o mundo precisa colocar para fora o “inferno pandêmico” de uma forma unida, porque regar apenas uma parte dele reduzirá as chamas em uma área, mas enquanto está queimando em toda parte, as faíscas irão eventualmente viajar e crescer novamente em uma fornalha que ruge”.

Vacine os mais vulneráveis – O chefe da OMS reiterou que a lacuna global no fornecimento de vacinas é extremamente irregular e desigual.

“Alguns países e regiões estão realmente pedindo milhões de doses de reforço antes que outros países tenham suprimentos para vacinar seus profissionais de saúde e os mais vulneráveis”, disse ele.

Ele acrescentou que os dados mostram que a vacinação oferece imunidade duradoura contra a COVID-19 grave e mortal. Como estratégia, Tedros sugeriu que em vez de a Moderna e a Pfizer priorizarem o fornecimento de vacinas como reforços para países cujas populações têm cobertura relativamente alta, elas poderiam “para fazer tudo” para canalizar o fornecimento para a iniciativa global COVAX, a Equipe de Tarefa de Aquisição de Vacinas da África e países de renda média baixa.

Embora Tedros tenha reconhecido que dezenas de milhões de doações de vacinas estejam começando a chegar, ele disse que elas precisavam vir mais rápido, por meio de uma “construção total, sem arrependimentos e acelerada de novos centros de fabricação de vacinas”.

Chamando isso de “interesse próprio esclarecido”, ele disse que quando um país compartilha vacinas, na verdade está ajudando a si mesmo.

“O mundo inteiro está doente e cansado, e todos querem se abrir, e acabar com a pandemia é a chave… quando tivermos uma pandemia em todos os lugares, o vírus continuará a circular.”

Ele também disse que foi “extremamente decepcionante” ver países que vacinaram a maior parte de sua população com duas doses, pensando em uma terceira. “Na verdade não faz sentido”, ressaltou. Tedros também explicou que o compartilhamento de vacinas não significa necessariamente dar vacinas de graça.

“Tenho uma lista de países que dizem que têm dinheiro, podem pagar, mas não há vacinas. O mundo tem meios para aumentar a produção rapidamente, o que falta é liderança global”, acrescentou.

Apelo aos farmacêuticos – O diretor-geral da OMS disse que as empresas farmacêuticas devem compartilhar suas licenças, conhecimento e tecnologia. “Faça o que a AstraZeneca está fazendo”, disse ele, que começou na Europa, mas tem produção na Índia, Coreia, Austrália e Japão, com mais expansão planejada, explicando que isso dá ao COVAX a luz verde para comprar vacinas em instalações adicionais.

Ele lembrou que milhares de pessoas ainda morrem todos os dias e que atualmente a solidariedade não funciona por causa da “ganância”. “Os países que estão vacinando sua população começam a dizer, ‘nós conseguimos controlar isso, então não é problema nosso”.

Mas não tenho certeza se eles estão fora de perigo; não acho que eles estejam no controle por causa da cepa Delta e outras que podem evoluir. Eles ignoram o resto do mundo e dão chance ao vírus de circular”, alertou.

Tedros disse que não pode haver mais conversa sobre a vacinação de países de baixa renda em 2023, enquanto há ferramentas para ajudá-los agora.

“Estamos dizendo isso repetidamente e precisamos de um ouvido atento. Isso é para seu próprio bem e ninguém está fora de perigo ainda. Para quem tem meios, está nas nossas mãos. Podemos acabar logo, porque temos as ferramentas”, ressaltou.

Doses de reforço desnecessárias – A colíder do Covax da OMS, Ann Lindstrand, explicou que atualmente não há evidências suficientes apontando para a necessidade de doses de reforço.

“Se você tem um esquema completo de vacinação de qualquer uma das vacinas aprovadas pela OMS, você tem uma boa proteção”, explicou.

O cientista-chefe da OMS, Soumiya Swaminathan, também disse que embora tenha havido um aumento de infecções nas populações vacinadas, não houve mais hospitalizações.

“Há relatos de que a população vacinada está tendo casos de infecção, particularmente da variante Delta, mas a maioria deles são leves. As pessoas nos hospitais não estão vacinadas.”

Swaminathan lembrou que as decisões sobre as doses de reforço devem ser feitas com base em dados, e não “em empresas dizendo que precisamos de uma terceira dose”.

in EcoDebate,

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário