Vereadores exaltam a Apae e criticam doações ao programa Criança Esperança, da Globo

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Com a pauta da reunião da Câmara vazia nessa terça-feira (21), e para não perder a exposição nas emissoras de rádio que transmitem as sessões legislativas, os vereadores aproveitaram a apresentação dos trabalhos da Apae na cidade para criticar o programa Criança Esperança, uma campanha nacional da rede Globo de televisão em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

As Apae’s promovem em todo o país a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla, que acontece todos os anos entre os dias 21 e 28 de agosto.

O presidente da Câmara, Neidson Freitas (PP), após ouvir as dificuldades enfrentadas pela Apae de Itabira, expostas pela sua presidente, Maria Raimunda Lacerda Sobrinho, citou a postagem do líder do governo na Câmara, vereador Carlos Henrique Silva Filho (Podemos), para endossar a necessidade de se dirigir à Apae local as doações de itabiranos que todos os anos são feitas ao Criança Esperança .

Vereador Carlim Filho faz campanha para o itabirano doar recursos à Apae de Itabira (Fotos: Divulgação)

“O vereador Carlinhos postou um apelo na rede social dirigido às pessoas que fazem doação ao Criança Esperança, que é importante, mas muitos não percebem a importância do trabalho desenvolvido pela Apae em nossa cidade”, disse o vereador, para quem é importante reforçar a necessidade de a população apoiar esse trabalho como doações de recursos à entidade.

O vereador André Viana (Podemos) também reforçou essa necessidade. E foi mais incisivo na crítica. “A rede Globo faz campanha para o Criança Esperança e apoia o aborto”, afirmou, referindo-se às novelas que abordam o tema – e também ao fato de muitos atores globais terem participado de campanha pela legalização do aborto.

A posição do vereador sobre o tema já é conhecida. Evangélico, ele liderou a Marcha da Inocência em Itabira. Viana, como a maioria dos evangélicos fundamentalistas, considera o aborto como crime hediondo.

Postagem do vereador Carlim Filho na rede social

Ele se esquece de que trata de uma dura realidade que afeta milhares de mulheres, a maioria negra e pobre. Já a maioria das mulheres brancas aborta com segurança em clínicas particulares.

Segundo o DataSus, departamento de informática do Sistema Único de Saúde (SUS), todos os anos são realizados mais de 190 mil internações de mulheres vítimas de abortos clandestinos. Isso sem contar o número das que morrem por não terem tido atendimento adequado.

A legalização, que dificilmente será aprovada no país pelo seu conservadorismo, seria uma forma de encarar a questão como um problema de saúde pública, que afeta principalmente as mulheres de baixa renda. E que, portanto, devem ter autonomia em sua decisão pelo aborto, devendo ser assistida pelo Estado, com segurança.

Apoio às Apae’s

Não deveria ser, portanto, o suposto apoio à campanha pela legalização do aborto o motivo pelo qual  se deve privilegiar as doações às Apaes – e não ao Criança Esperança.

Para o vereador Carlinhos Filho, doando recursos à Apae o doador pode ver que realmente está sendo dada esperança a uma criança. “Doe para as crianças de nosso município. Doe à Apae”, esse é o apelo que ele fez recentemente pela rede social.

Essa doação, entretanto, segundo a presidente da Apae, já vem ocorrendo no município. De acordo com ela, 60% dos itabiranos com residência na cidade contribuem com a entidade por meio da conta de água, cobrada pelo Saae.

Ainda assim os recursos são escassos diante das demandas crescentes. “Precisamos de mais equipamentos para o atendimento à saúde. Temos muita gente na fila esperando oportunidade para fazer tratamento em nossa clínica médica.”

A entidade assiste 410 pessoas com algum tipo de deficiência em Itabira. “São as nossas eternas crianças. A deficiência é para toda a vida.”

Inclusão social é direito conquistado

Manifestação de alunos em defesa da Apae e da inclusão social em frente à Câmara Municipal

A Apae de Itabira foi fundada há 45 anos. Além das assistências educacional, pedagógica e à saúde, desenvolve ações permanentes em prol da inclusão social da pessoa com deficiência intelectual e múltipla.

As Apae’s constituem hoje o maior movimento nacional em defesa dos direitos e na prestação de serviços que amenizam o sofrimento e as angústias de familiares e das pessoas com deficiências – e que necessitam de cuidados especiais.

O movimento apaeano considera que esses seres humanos especiais são dotados de sentimentos, emoções e elaborações mentais. Portanto, as suas deficiências devem ser entendidas como uma de suas múltiplas características – e não como a única configuração possível de sua individualidade.

São pessoas dotadas de desejos. Por isso, as suas manifestações devem ser respeitadas e naturalmente aceitas. Considera ainda que cada pessoa, assim como todo ser humano, possui diferentes possibilidades e habilidades.

Além disso, a inclusão social é um direito, que deve ser assegurado e promovido por toda a sociedade, não só pelas famílias e pelas entidades filantrópicas, como são as Apae’s.

É preciso, portanto, desenvolver o potencial dessas pessoas especiais, para que alcancem o máximo de autonomia, manifestando as suas habilidades nas artes e no mundo do trabalho.

Só assim os preconceitos são eliminados. E a inclusão social acontece, de acordo com as limitações e as potencialidades de cada indivíduo. Afinal, escreveu o poeta Drummond, como todos os seres humanos, eles “são estranhos ímpares”.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Karina Couto de Moura on

    Sobre a APAE,demagogia pura…exaltar até exaltam mas em conversa com mães e voluntárias,durante reunião na terça-feira(21/08),escutei das mesmas que nenhum se faz presente.

Deixe um comentário