Vereador expulso do PTB faz criticas à cúpula partidária e diz que decisão foi por fazer oposição ao prefeito Ronaldo Magalhães

0
Compartilhe.

Expulso do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) por, segundo comunicado da comissão provisória à Justiça Eleitoral, ter infligido o que dispõe o estatuto da agremiação, e também por “não ter uma conduta política e pessoal ilibada”, o vereador Reginaldo “do Carmo” das Mercês Santos fez, nesta terça-feira (15), um grave pronunciamento na tribuna da Câmara Municipal.

Segundo o vereador, a sua expulsão foi um ato político discricionário e antidemocrático, por fazer oposição sistemática ao governo do seu ex-correligionário, o prefeito Ronaldo Lage Magalhães (PTB).

“A minha expulsão foi uma decisão precipitada e inconsistente, sem que me fosse dada a chance da ampla defesa”, disse o parlamentar itabirano, que prometeu recorrer à Justiça Eleitoral da decisão partidária, que considera intempestiva e antidemocrática.

A decisão da comissão provisória do PTB de expulsar o vereador foi tomada em agosto, mas Reginaldo só foi comunicado recentemente, pelos Correios, devida à morosidade da Justiça. “Vou apresentar a minha defesa na Justiça. Não vou sair expulso do partido, mas do mesmo jeito que entrei, por vontade própria”, disse ele à reportagem deste site.

Procurado pela reportagem para se manifestar sobre a decisão partidária, o presidente da comissão provisória do PTB, o empresário Francisco Campos, assessor especial do prefeito, não retornou à chamada telefônica até o fechamento desta reportagem.

Entretanto, em entrevista a outras publicações, o dirigente partidário assegurou que a expulsão não teve motivação política – e que, se assim fosse, o vereador teria sido desligado desde o início do mandato, pela oposição sistemática que tem feito ao prefeito.

Segundo ele, a expulsão foi motivada pelos inquéritos e ações por improbidade administrativa que o vereador responde, mas ainda sem condenação. Reginaldo foi indiciado por importunação moral em inquérito que corre, sob segredo, na Delegacia de Polícia, que é para preservar a privacidade da pessoa que teria sido por ele molestada. O inquérito ainda não foi concluído.

E responde também a uma ação por improbidade administrativa, acusado de ter desviado materiais da Prefeitura quando exercia o cargo de administrador do distrito de Senhora do Carmo, onde reside, na administração passada.

Recentemente Reginaldo “do Carmo” foi absolvido, pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), da acusação de compra de votos na eleição passada (leia aqui). “Se a minha expulsão foi por esse motivo (de responder a processo por improbidade administrativa), outros filiados deveriam também ser expulsos, como o prefeito e outros dirigentes da cúpula partidária, que respondem a processos, inclusive com condenações, o que não é o meu caso”, defende-se o vereador.

“Sou contra o governo desde o início por não concordar com as arbitrariedades, como as demissões dos vigias da Itaurb, ao mesmo tempo em que o prefeito transforma a empresa em cabide de empregos para os seus apaniguados, como ex-vereadores que aprovaram na legislatura passada, no apagar das luzes, reajuste de salários para os secretários”, enumerou o vereador oposicionista na tribuna da Câmara.

A denúncia de fisiologismo na política municipal, que o vereador sustenta como sendo desastrosa para Itabira, tem sido recorrente na atuação do parlamentar. “As minhas intervenções aqui na Câmara e na minha base política foi o que verdadeiramente motivou a minha expulsão”, afirmou.

“As minhas ideias não compactuam com as do prefeito, por isso fui expulso”, acrescentou o vereador, que criticou também a imprensa áulica, que seria paga para criticá-lo e a outros oposicionistas, enquanto exalta as ações do governo municipal. .

“Quanto mais eles (os radialistas, principalmente) me batem, meu nome cresce junto à opinião pública. Quero deixar claro à população itabirana que eu luto por ideias, por uma Itabira melhor.”

Livre para voar

Heraldo Noronha, presidente da Câmara

O vereador Heraldo Noronha (PTB) considerou precipitada a expulsão de Reginaldo, mas faz uma ressalva: “Eu não participei da decisão, mas acho que foi até melhor para ele, que não perde o mandato com a expulsão”, explicou.

“Reginaldo agora tem a chance de escolher uma nova legenda para se filiar e exercer o seu mandato com liberdade”, disse o presidente da Câmara Municipal de Itabira. “Eu não sei o porquê de Reginaldo reclamar. Ele ganhou um presente”, considerou.

Mesmo não tendo participado da decisão, por via indireta Heraldo Noronha confirmou a motivação para a expulsão do vereador do PTB. “Reginaldo não está junto com o partido deste o inicio do mandato. O prefeito é do PTB e o vereador faz oposição ferrenha ao governo há muito tempo.”

Sobre o Autor

Deixe um comentário