Vale declara à ANM que Itabira ainda dispõe de mais de 1,1 bilhão de toneladas de minério de ferro

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Exploração das Minas de Itabira pode ganhar mais tempo, mas o prefeito eleito Marco Antônio Lage quer trabalhar como se o fim fosse para já

Viabilizadas as alternativas para a disposição de rejeitos das usinas Cauê, Conceição I e II, a vida útil das minas do complexo de Itabira pode durar mais alguns anos além do horizonte de exaustão declarado pela Vale, neste ano, à Comissão de Valores Imobiliários dos Estados Unidos.

É que, de acordo com o volume das reservas e dos recursos informado pela mineradora à Agência Nacional de Mineração (ANM), e que consta do Plano Integrado de Aproveitamento Econômico das Minas de Itabira, o município ainda dispõe de 842.1 milhões de toneladas (Mt) de reservas medidas – e mais 306,5 Mt de reservas indicadas, totalizando mais de 1,1 bilhão de toneladas, entre reservas e recursos.

Itabira dispõe, ainda, de mais 306,5 Mt de reservas inferidas. São os recursos minerais existentes no complexo, mas que ainda não contam com estudos detalhados e precisão nas prospecções – e que podem estar localizadas para além dos limites das minas, tornando a sua recuperação incerta e até mesmo improvável.

A Vale não informou à ANM se nesse volume estão incluídos os recursos existentes nas pilhas de “estéril” e nas barragens de rejeitos, que, em alguns pontos chegam a alcançar percentual acima de 30% de ferro.

Todo esse volume de recursos e reservas é muito mais do que está divulgado no relatório Form20 deste ano. À Bolsa de Nova Iorque, por meio do Formulário 20F, a Vale declarou uma reserva de apenas 418,9 Mt provadas e mais 377,4 Mt prováveis, totalizando 796,3 Mt.

Relatório Form20 divulgado neste ano projeta a exaustão para 2029

 

Projeção

Considerando que a proporção entre minério de ferro e rejeitos nas minas de Itabira é de 46% para o primeiro, e que a capacidade produtiva do complexo é de 50 milhões de toneladas anuais, é perfeitamente factível projetar um horizonte de exaustão para além de 2031, com base nas informações prestadas à ANM.

Isso sem contar com o aproveitamento das reservas inferidas, além dos recursos existentes nas barragens e nas pilhas de estéril, o que inclui parte dos recursos de itabirito compacto.

Esse possível novo horizonte de exaustão coincide com o que projetou o ex-gerente Fernando Carneiro, que, em maio de 2017, disse que Itabira teria minério suficiente para produzir pellet-feed para depois da virada da década, com o aproveitamento do itabirito compacto. Leia aqui.

Procurada pela reportagem deste site, por meio de sua assessoria de imprensa a Vale informa que continua valendo as informações prestadas no relatório Formulário20F deste ano, que prevê a exaustão das minas de Itabira em 2029. Mas admite que essa projeção pode ser alterada, como historicamente tem ocorrido.

“Conforme o relatório 20F (páginas 79 e 80), o plano de exaustão das minas do Complexo Itabira foi ajustado para 2029 em função da revisão dos planos estratégicos de lavra e de produção da empresa”, assinala.

Esclarece ainda que as reservas minerais, provadas e prováveis, são de material in situ, isto é, conforme elas se encontram nas minas, composto por minério de ferro e material estéril, além de rejeitos.

“Importante esclarecer, ainda, que premissas econômicas, demandas de mercado e avanços tecnológicos podem interferir na estimativa dos recursos e reservas minerais declarados”, acrescenta a empresa.

Assegura que as pesquisas para o aumento do aproveitamento das reservas indicadas estão em constante evolução. “Os estudos levam em consideração aspectos tecnológicos, ambientais, legais e sociais. Após conclusão de viabilidade, os resultados serão submetidos ao processo de obtenção das licenças requeridas para a continuidade de qualquer empreendimento da empresa”, sinaliza.

Urgência

Para o prefeito eleito Marco Antônio Lage (PSB) uma projeção mais elástica para a exaustão das minas de Itabira em nada altera a necessidade de buscar a diversificação da economia local. “Estamos atrasados, já era para Itabira ter uma economia diversificada, ancorada em outros segmentos. Não temos tempo a perder.”

Lage disse ainda que pretende cobrar, assim que empossado, mais transparência nas informações da Vale, além de apoio a novos arranjos produtivos no município. “Temos que ter um plano estratégico de ação com objetivos e metas já pensando na imediata exaustão mineral”, é o que ele projeta para a política de desenvolvimento econômico no próximo governo.

Projeções da exaustão das minas não são precisas e mudam com o tempo

No primeiro relatório Form20, divulgado em 2001, a projeção de exaustão das minas de Itabira era para 2014

As projeções para a exaustão mineral mudam conforme a demanda de mercado, o avanço das tecnologias de processamento de minério de ferro mais pobre, assim como as condições ambientais e territoriais para que novos recursos possam ser incorporados às reservas itabiranas.

No início do século passado, as reservas de Itabira foram avaliadas em “1 bilhão e 500 milhões de toneladas de minério com um teor superior a 65% de ferro, que darão para ‘abastecer quinhentos mundos durante quinhentos séculos’, conforme garantia o visconde do Serro Frio”, registrou Drummond na crônica Vila de Utopia.

O poeta e cronista itabirano se referia à riqueza posta na montanha venerável do Cauê. “Os números que exprimem a quantidade de minério de Itabira”, confirma o professor Labouriau, “são astronômicos: de tão grandes tornam-se inexpressivos”.

“Inexpressivo é bem o termo: e não encontro também outro para qualificar a minha, a nossa indiferença diante de tanta opulência inerte. Somos tão ricos, em Itabira, que não nos preocupamos com a nossa própria riqueza”, assinalou o cronista.

Fim do minério

Desde 1942, quando teve início a exploração de minério de ferro em larga escala no município, as projeções para a exaustão mineral vem sendo alteradas.

Em 2001, quando a Vale iniciou a publicação da série histórica dos relatórios Form20, a mineradora informou ao mercado internacional que as minas de Itabira iriam exaurir em 2014.

Já no relatório do ano seguinte a previsão foi mais otimista: a exaustão ocorreria em 2021. Em 2003, aumentou em um ano o horizonte de exaustão, com projeção de o minério da mina Conceição e Minas do Meio exaurir em 2022 – e Cauê em 2004, como de fato ocorreu.

Ainda em 2004 a empresa declarou que a mina de Conceição iria exaurir  em 2023 e as Minas do Meio em 2020. Dez anos depois, já em 2014, a previsão de exaustão saltou para 2025 (Conceição), mantendo 2022 para o horizonte de exaustão das Minas do Meio. Leia mais aqui.

Agora, o fim do minério de Itabira está previsto para 2029. É bem provável que esse horizonte se estenda por mais alguns anos no próximos relatórios, até que ocorra o sempre protelado fim inexorável.

O relatório apresentado em 2014 projeta a exaustão para 2025 em Conceição e para 2022 nas Minas-do-Meio

Compartilhe.

Sobre o Autor

3 Comentários

  1. O prefeito, Marco Antônio Lage foi eleito no momento certo, Itabira não poderia continuar na mão de ursupadores do bem público. Os eleitores de Itabira, com inteligência se livraram dos maus políticos.

  2. Pingback: Vale convida população de Itabira para a audiência pública que precede o licenciamento da pilha Canga Sudeste da Mina Conceição - Vila de Utopia

  3. Pingback: Vale vai investir R$ 26 milhões em pesquisas geológicas para aumentar a vida útil das minas de Itabira - Vila de Utopia

Deixe um comentário