Sem vencer no campeonato Brasileiro, Cruzeiro segue bem nas outras disputas

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Luiz Linhares*

Para o torcedor cruzeirense este ano tem sido bem pesado, diante de uma  série de acontecimentos que tem deixado o torcedor preocupado.  Não se pode esquecer que o Cruzeiro é um dos poucos clubes brasileiros sem nunca ter sido rebaixado à série B do futebol nacional.

O momento atual mostra um mar mais do que revolto no ambiente administrativo do clube, com denúncias, prisões, demissões e acusações baseadas no uso prejudicial do patrimônio do clube. Registram-se pagamentos indevidos, atos de falsidade ideológica, salários astronômicos a membros e tanta coisa mais, que está a exigir muito trabalho para a justiça e sentenças a acontecer.

Pois bem, mas o que se observa é que o torcedor tem pouco se importado com tudo isto. O que lhe interessa é ganhar títulos, ver um baita time em campo, sempre entre os primeiros. Rebaixamento nem pensar.

O clube vive momentos decisivos em competições importantes e lucrativas. E isso o faz deixar de lado a trajetória do Campeonato Brasileiro. Em consequência, jogou doze vezes, venceu duas, empatou quatro e perdeu seis vezes.

Nos dois últimos jogos, em Belo Horizonte, empate com Botafogo e na últimpa partida, derrota para o Atlético-PR com um time reserva e vaiado ao final pela baixa produção e qualidade.

Vai muito mal o desempenho do Cruzeiro no Brasileiro. Nas duas últimas rodadas teve sorte de não entrar na zona de rebaixamento. Isso graças ao baixo nível apresentado também pelos seus oponentes, em especial Fluminense e Chapecoense, que tiveram tudo para superar o time azul e foram também incompetentes em seus duelos.

Em paralelo a má campanha no Nacional segue bem na Copa do Brasil, tendo superado o rival pela força do regulamento. E na Libertadores conquistou um empate na Argentina e uma simples vitória em BH o coloca nas quartas.

Engraçado é que o Atlético PR também joga pela Libertadores lá na Argentina contra o Boca com obrigação de ganhar, pois perdeu a primeira em casa. E mesmo assim não poupou ninguém e ganhou do Cruzeiro com seu time titular.

Será que o furacão já entregou os pontos ou o Mano Menezes tem resguardado ou descansado por demais seu plantel? Não posso prejulgar por não acompanhar o dia a dia. Sei que hoje é muita precaução e pouco futebol que tem se jogado.

Tudo é aceitável, o torcedor querer o time vencendo, o clube dar uma atenção a competições mais curtas e altamente rentáveis e tudo mais.

A péssima campanha do Brasileirão, com o time há muito sem vencer ainda é uma preocupação, mesmo que falte ainda vinte e seis rodadas para o fim do campeonato. Mas o que não se pode é esperar sempre a próxima rodada.

Atlético empata em Goiânia sem poupar jogadores mesmo tendo jogo pela Sul-Americana na semana

Atlético empata em Goiânia e segue na quarta posição no campeonato Brasileiro. (Foto: Bruno Cantini/Superesportes)

Já o Atlético conseguiu um empate dentro de Goiânia, o que não deixa de ser importante. Afinal, somar pontos fora de casa é sempre benéfico. Verdade que poderia ter se esforçado mais, jogado em busca da vitória, se impondo à qualidade inferior do adversário. Faltou uma força ofensiva maior, mais qualidade para finalizar as poucas chances criadas.

Colocou quase todos os titulares em campo mesmo sabendo da batalha de quarta-feira pela Sul Americana contra o Botafogo em casa.

Entendo e me complico às vezes neste pensamento: uns focam por demais o descanso e a concentração total nesta ou naquela competição. Mas o Galo, no meu modo de ver, segue focando no Brasileirão. E assim manteve a quarta posição e poderia ter lucrado ainda mais se vencesse.

Sabe que tem vantagem contra o time carioca na competição paralela. Jogou com força e foi tudo dentro do esperado, o mesmo que se espera para a Sul Americana.

Classificação que chegará em bom momento e de satisfatório ganho financeiro .E isso é superimportante para o clube que não pode mais pensar na grana da copa do Brasil.

*Luiz Linhares é diretor de Esportes da rádio Itabira-AM.

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário