Rosinha e Matilde, um conto de fadas real

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Por Karina Penido Rosa

Era uma vez, nos domínios de Itabira do Matto Dentro e São José da Lagoa, há muito tempo, duas crianças destinadas a se unir e, juntas, construir uma família.

Casamento de Rosinha e Matilde, em julho de 1942 (Fotos: acervo de família e Ênio Júnior)

O menino nasceu em Itabira, em 1916 e recebeu o nome de Joaquim Augusto de Campos Rosa. A menina nasceu em Nova Era e se chamou Matilde Martins Felipe.

Em 26 de julho de 1942 eles se casaram. Daí nasceram seus sete filhos homens: Maurício, Max, Márcio, Mauro, Marconi, Marcelo e Magno, todos casados e que lhe deram 17 netos e 12 bisnetos.

O segredo da longevidade do casal sempre foi a amizade e o respeito mútuo. “É o amor”, revelou Matilde

Eu sou a neta mais velha e irei contar a vocês uma história de amor. Escrevo a história de Joaquim e Matilde para todos conhecerem um conto de fadas real.

Um conto de amor, vivido, aprendido e testemunhado por todos. Vô Rosa fundou e trabalhou na loja Rosa & Felipe, que ficava embaixo da minha casa, juntamente com meu pai, Maurício.

Meus avós moraram 44 anos no Casarão da Rua Tiradentes, número 5 e ficaram famosos em Itabira por ser um casal tão amoroso, exemplos de uma vida simples e feliz.

Quero falar sobre o amor. Porque esse mundo de hoje está precisando mesmo de exemplos assim, quando as pessoas se amavam com desprendimento e a vida era mais simples e feliz.

A história que vou contar fala de um casamento de setenta e três anos, construído com muita paciência, tolerância, dedicação, compreensão e perdão. Amor benigno. Amor à moda antiga.

O casal com o filho Maurício, em frente à antiga casa comercial Rosa & Cia

Falo sobre o passado, os modos antigos, as famílias extensas, o homem trabalhador, a mulher virtuosa. Sobre envelhecimento, de como devemos cuidar uns dos outros, do nascimento até a morte.

A morte dos meus avós fez que eu escrevesse muito sobre eles. Os textos foram escritos de abril de 2015 até a publicação do livro.

Busquei o passado das famílias Rosa e Felipe. Se as memórias não forem escritas, elas se perdem com o tempo.

Depois de escrever textos separados, achei que, se reunisse tudo, daria um bom material.

Fiz o melhor que pude e fiz com amor.

Espero que gostem.

Marquei o lançamento do livro Amor Eterno para o dia 24 de agosto, aniversário de Vó Tide, quando ela completaria 100 anos. Uma data muito especial para a família.

Aqui está o seu convite. Estou ansiosa pela sua presença.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

2 Comentários

  1. Pingback: E como dois passarinhos eles partiram - Vila de Utopia

Deixe um comentário