Restauração do casarão do historiador João Camilo terá início na segunda-feira, informa Ronaldo Lott

0
Compartilhe.

Nesta segunda-feira (13), a Prefeitura de Itabira dará início à restauração do casarão da rua Tiradentes, 55, no centro histórico, que pertenceu ao escritor e historiador João Camilo de Oliveira Tôrres (1915/73). Para isso, já foi assinado contrato e a previsão é de termino em 120 dias.

As obras de restauro irão custar R$ 250,3 mil aos cofres municipais, que sairão do Fundo Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural (Fumpac), composto por recursos do ICMS Cultural, destinado à restauração do patrimônio histórico e arquitetônico. “O casarão não apresenta danos estruturais”, assegura o secretário municipal de Obras, Ronaldo Lott Pires.

Serão restaurados o telhado com substituição de telhas e de parte do madeirame, das eiras e beiras, além da fachada com o reboco de todo o casarão. Inclui, ainda, a reforma da instalação hidráulica e revisão da parte elétrica, que havia sido trocada recentemente.

“Todo o cabeamento elétrico do casarão passará a ser subterrâneo, que já fica pronto para quando for feita a mudança da rede elétrica do centro histórico para esse padrão”, informa o secretário de Obras. Saiba mais sobre a restauração do patrimônio histórico aqui.

Ribeirão São José

Fachada da Casa das Máquinas da usina Ribeirão de São José: restauração é mais uma vez anunciada pela Prefeitura. No destaque, o sobrado do historiador João Camilo de Oliveira Tôrres (Fotos: Carlos Cruz)

Para a próxima semana, a Prefeitura espera enfim licitar as obras de restauro do conjunto arquitetônico da usina Ribeirão de São José, o que inclui a Casa de Máquinas e também a do administrador.

Serão construída guaritas, iluminação do sítio arquitetônico, abertura de estacionamento, cercamento, além da revitalização do canal por onde passa a água do ribeirão. A estrada de acesso ao parque também será melhorada, além de serviço de paisagismo e abertura de trilhas ecológicas.

Como parte do conjunto arquitetônico, será também feito o restauro da antiga Casa de Distribuição, na praça do Centenário, onde hoje funciona o Centro de Artesanato.  No total, na restauração desse histórico conjunto arquitetônico serão investidos R$ 2,06 milhões, provenientes do Fundo Especial de Gestão Ambiental (Fega).

Entretanto, o restauro não inclui a reforma dos equipamentos da usina, que foram extremamente danificados após a Prefeitura retirar a vigilância do local. Com isso, no início de 2017 os equipamentos da usina sofreram avarias que podem ser irreversíveis, detonando as turbinas e transformadores.

A Casa de Distribuição, hoje Centro de Artesanato, terá a fachada restaurada

Esses equipamentos são relíquias históricas, que deveriam ser protegidos pelo poder público municipal. Foram fabricados no início do século passado pela Companhia Brasileira de Eletricidade Siemens-Shuckerwereke.

A restauração e instalação do Parque Natural Municipal Ribeirão de São José eram para ser executadas com recursos da mineradora Vale, como parte do cumprimento das condicionantes das unidades de conservação.

Porém, a condicionante não foi executada em sua plenitude, com perdas para a população itabirana e para o desenvolvimento das atividades turísticas no local.

Sem vigilância, equipamentos da usina foram detonados

Para o parque estava prevista a instalação de unidades demonstrativas de geração de energias alternativas (elétrica, eólica e fotovoltaica), inclusive com o restauro do maquinário para que a usina voltasse a gerar energia elétrica. Leia mais aqui.

A usina hidrelétrica foi inaugurada em 1915, tendo sido a segunda de Minas Gerais – e por muitos anos forneceu energia a Itabira.

Está localizada a 15 quilômetros da cidade, no sentido Nova Era, pegando estrada vicinal de terra depois de Oliveira Castro.

Outras restaurações

A Prefeitura concluiu no fim do ano passado a restauração do casarão da praça Joaquim Pedro Rosa, nº 14, na praça do Centenário, a um custo de R$ 244,8 mil, provenientes também do Fumpac/ICMS Cultural.

Restauração de sobrado da praça Joaquim Rosa foi concluída no ano passado

A restauração incluiu o reforço da estrutura do casarão, tendo sido refeita a fachada, que havia sido desfigurada com a aplicação de ardósia na parede de pau-a-pique.

Foi também reformado o telhado, com substituição das telhas, forro do beiral, além do sistema de captação de água pluvial e reforma da instalação elétrica.

Ainda pelo programa de Revitalização do Patrimônio Histórico, a Prefeitura irá pintar e reformar o telhado e substituir as esquadrias do casarão da praça do Centenário, 157, que fica ao lado da Casa de Drummond, a um custo de R$ 43 mil.

Também será pintado o casarão da rua Santana, 146, e o imóvel também tombado da rua Doutor Guerra, 8, que pertenceu a Chico Osório, hoje propriedade dos herdeiros do ex-prefeito Luiz Menezes (1989/92).

No programa está incluído ainda o reforço estrutural da Casa do Brás, onde funciona a Escola Livre de Música de Itabira, além da manutenção do sistema hidrossanitário.

Antigo hospital

Conclusão da restauração do antigo Hospital Nossa Senhora das Dôres não será para este ano

Infelizmente, os recursos disponíveis do Fumpac não contemplaram o término da restauração do antigo Hospital Nossa Senhora das Dores, na rua Major Paulo. “Não temos recursos para este restauro neste ano”, lamenta Ronaldo Lott.

O custo para concluir a restauração é estimado em R$ 2 milhões. “O casarão está escorado internamente, mas isso não dura eternamente”, adverte o secretário de Obras.

É importante que o término dessa restauração seja listada como prioridade para a próxima gestão municipal, para que o histórico casarão não tenha o mesmo destino do antigo ginásio Sul-Americano.

No início da década de 1980, o Sul-Americano foi literalmente tombado ao chão – e hoje é só mais uma fotografia na parede. “E como dói”.

Sobre o Autor

Deixe um comentário