Projeto de reforma do Memorial inclui melhorias na acessibilidade e iluminação mais apropriada

3
Compartilhe.

Para definir com a Prefeitura os detalhes da reforma do Memorial Carlos Drummond de Andrade, esteve em Itabira, no dia 19 de abril, o arquiteto Jair Valera, que desde 1976 integra e hoje coordena o escritório de Oscar Niemeyer, no Rio (RJ). Como se sabe, o projeto do Memorial é de autoria de Niemeyer, uma homenagem que ele fez ao amigo Drummond, ex-correligionário, por pouco tempo por parte do poeta itabirano, no Partido Comunista Brasileiro (PCB), na década de 1940.

Jair Valera, Ronaldo Lott e Altamir Barros, no Memorial CDA: acertando detalhes da reforma

O monumento foi inaugurado em 31 de outubro de 1998, nas celebrações dos 96 anos do nascimento do poeta itabirano – e durante as celebrações pelo sesquicentenário da emancipação política e administrativa de Itabira. Completa, portanto, duas décadas de existência neste ano (leia mais aqui).

O Memorial fica na encosta leste do Pico do Amor, no Parque Municipal Natural Mata do Intelecto. A sua construção ocorreu na administração do prefeito Jackson Tavares (PT) – e foi patrocinada pela Fundação Vale, pouco tempo depois da privatização da ex-Companhia Vale do Rio Doce, hoje só Vale S.A.

Essa visita de Jair Valera foi a terceira que fez a Itabira. A primeira foi ainda na fase de detalhamento do projeto do memorial – e a segunda já com a obra concluída. “Niemeyer tinha o maior carinho por essa obra. Ele me pediu que viesse acompanhar a sua execução”, relembra.

De acordo com o arquiteto, ocorreram algumas modificações no projeto inicial. Daí que a proposta agora é para que seja readequado com algumas modificações, inclusive melhorando a acessibilidade para portadores de necessidades especiais.

A previsão é licitar a obra ainda neste ano, para ser reinaugurada em outubro de 2019. O custo dessa readequação está estimado em cerca de R$ 400 mil. “A Prefeitura deve arcar essa etapa com contrapartida dos royalties do minério”, adianta o secretário municipal de Obras, Ronaldo Pires Lott, que justifica o investimento como parte da estratégia da diversificação da economia local. “É um investimento cultural e turístico.”

Mudanças

O acesso ao Memorial, que hoje ocorre por meio de uma porta redonda, será modificado. Passará para a lateral direita do prédio, que será estendido nos dois sentidos. Com isso, o prédio ganha espaço para ampliar o atual auditório, além de outras melhorias. A escultura de Drummond, de autoria do artista itabirano Genin Guerra, será deslocada à direita, mas permanece de frente para as minas da Vale.

No lado esquerdo, que também será estendido, será ampliado o espaço da biblioteca e de exposições. Os banheiros, hoje internos e inadequados, ficarão do mesmo lado. Porém, passarão para a parte externa e serão ampliados e adaptados às demandas de acessibilidade.

Ainda no lado esquerdo, também na parte externa, será construído um deck de madeira para um café ao ar livre. O projeto de revitalização prevê, também, o retorno da lâmina d’água que será ampliada conforme o projeto inicial – e será iluminada.

Novo espaço com auditório-teatro fica para o futuro

Escultura de Drummond será deslocada para o lado

“Vamos também apresentar à Prefeitura o projeto conceitual de um auditório-teatro, que deve ser edificado numa área externa, com o fundo de vidro para que se tenha uma vista da cidade. “O auditório-teatro terá, assim, um cenário real, que é a própria cidade”, vislumbra o arquiteto Jair Valera.

Essa etapa, no entanto, ficará para o futuro, informa Ronaldo Lott, para quem o mais importante, no momento, é revitalizar o monumento e fazer as adaptações necessárias para que se torne mais adequado à sua finalidade de divulgar o legado drummondiano em sua terra natal.

O auditório-teatro será projetado para 75 lugares – e observará o mesmo padrão arquitetônico e altura do atual monumento. Para o investimento, a Prefeitura pretende buscar patrocínios de parceiros privados. “Precisamos efetivamente tornar o legado drummondiano em um forte atrativo turístico. Para isso, a readequação e uma melhor ocupação do memorial é fundamental”, defende o secretário de Obras.

“Oscar (Niemeyer) concordou em fazer esse auditório-teatro anexo ao prédio principal, como também aceitou que fosse feito posteriormente, de acordo com a disponibilidade de recursos”, conta Jair Valera à reportagem deste site. “Vamos deixar o projeto conceitual pronto como o Oscar pensou. A sua execução irá valorizar bastante o monumento”, acredita.

Luminotécnica

O projeto de revitalização do Memorial prevê também a modernização de sua iluminação interna e externa, que deve ser estendida até o Pico do Amor. “Essa etapa será parte de uma contrapartida de uma parceria público-privada que devemos licitar e que prevê mudanças de toda a iluminação pública de Itabira”, adianta Ronaldo Lott.

O projeto dessa iluminação, segundo o arquiteto Jair Valera, será feito pelo escritório do lighting designer Peter Gasper (1941-2014), pioneiro na arte de iluminação no Brasil. Parceiro de Oscar Niemeyer, Gasper assinou, entre inúmeros projetos, a iluminação do Cristo Redentor, no Rio (RJ), quando o monumento completou 80 anos, em 12 de outubro de 2011. “Será uma iluminação moderna, um sistema inteligente, sem agredir o monumento e os seus objetivos”, assegura Ronaldo Lott.

 

Sobre o Autor

3 Comentários

  1. Mauro Andrade Moura em

    Havia um dinheiro disponível para a reforma do Memorial, vindo do Fundo Estadual de Cultura.
    Mas, por alguma falta de circunstância ou boa vontade, o recurso não utilizado e talvez já tenha sido devolvido aos cofres do Estado.

  2. Pingback: Café da manhã no sobrado do barão de Alfié

Deixe um comentário