Pitacos da rodada esportiva

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Luiz Linhares*

Futebol sub-20 salva o domingo

Um domingo sem futebol para alguém que se acostumou nos últimos trinta anos a assistir à partida de seu time é algo um tanto quanto dramático. Uma tarde sem endereço, rumo. E procura daqui e dali me deparo com a Final da Copa RS de futebol sub-20, jogo final em Porto Alegre entre a garotada do São Paulo e Palmeiras. E foi um bom jogo, cheio de alternâncias no placar, vencido pelo São Paulo por 4×3 e tendo um jogador a menos quase que todo o segundo tempo. Mostrou a força da base do tricolor paulista e nomes que com toda certeza vão brilhar num futuro próximo. Certo que ganhei minha tarde de domingo, fazendo o que gosto, ultrapassando uma nova barreira das férias.

A lógica venceu em Dubai, nos Emirados Árabes

Férias de futebol chegou, mas sábado teve o último brasileiro em ação. O Grêmio disputou a tão esperada e sonhada final de Mundial de Clubes em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, contra o poderoso Real Madrid. Deu a lógica. Futebol, já diziam desde antanho, é uma caixinha de surpresas, mas não quando se tem o melhor time do mundo, comandado pelo português que é por cinco anos o melhor jogador do planeta. Ele, Cristiano Ronaldo, e mais dez craques de diversos países com a camisa madrilena. O Real Madrid jogou, buscou o resultado, criou infinitas situações e fez um gol. Já o nosso representante não reeditou atuações como a anterior contra o Lanus na Argentina. Foi determinado, robótico até, não chegou a ameaçar, também não se pode dizer que decepcionou. Foi valente, mas seja dita a verdade: o seu adversário está há anos luz à nossa frente.

Barbárie no Maracanã é retrato fiel do Rio e de nosso país

Flamengo frustra torcida atleticana e flamenguistas promovem pancadaria (Foto: Extra)

A semana passou e mais uma vez, como brasileiro, me resta lamentar em relação ao que se viu outra vez em um estádio brasileiro. Quarta passada, decisão da Copa Sul-americana de Futebol, Maracanã no Rio de Janeiro, Flamengo em busca do título. Tinha tudo para ser mais um espetáculo fantástico da nação rubro-negra. Tinha tudo, volto a repetir… Não vou nem tocar no que rolou nas quatro linhas, mas vimos os argentinos firmes no seu propósito, um Flamengo abaixo de todas as previsões. Resultado: festa argentina, com o Independiente garantindo o empate e sagrando-se campeão com méritos e justiça ao que se realizou dentro de campo. Melhor time merece título e assim o Independiente foi.

Resta, mais uma vez, falar do que rolou fora do gramado, com invasão de mais de oito mil torcedores ao estádio, quebradeira geral, agressões, saques. Enfim, uma selvageria que transformou o Maraca numa praça de guerra. Foi mais uma prova da incapacidade brasileira e do caos em que se encontra o Rio de janeiro, na segurança pública, no planejamento e em tudo que queremos distância. O retrato fiel de como se encontra novo país, dominado pelo descaso, pela corrupção e pela bandidagem.

Ao invés de pedirmos para o torcedor comparecer ao estádio, para dar aquela força ao seu time de coração, temos sim que pedir pelo amor ao seu filho, a quem você ama: não o leve ao campo de futebol, lá é uma terra de ninguém.

Mudanças necessárias para esquecer um ano frustrante no Galo

Torcida do Galo tem saudade do time campeão da Libertadores em 2013 (Foto: Divulgação)

O advogado Sérgio Sete Câmara deu uma goleada em seu oponente e se tornou o novo presidente do Galo. Engraçado como na política, seja clubistica ou não, sempre quem ganha se assusta com a conta, com o déficit. Acho que quando alguém se lança candidato tem que ter esse conhecimento, pois se não for assim é pisar em areia movediça. O novo presidente chega com ideia, com os pés no chão, com muito trabalho para captar recursos e colocar as contas em dia. E ainda por cima, terá de contratar novos atletas. Eis a palavra mágica que o torcedor quer ouvir: CONTRATAÇÕES. O ano que vem chegando já é frustrante por não ter a Libertadores, o Mengão não ajudou, não obstante a força extra que recebeu da envergonhada torcida atleticana. Resta ao clube contentar-se com a Copa do Brasil e Sul Americana. Fazer o quê? O homem do futebol agora é Alexandre Gallo, que mostrar a que veio. Como não tem dinheiro, anunciou contratações por empréstimos de Arouca e Erick do Palmeiras, além do lateral Samuel Xavier que vem do Sport Recife. Nessa conjuntura de dívida e penúria, não adianta esperar por contratações de medalhões. Resta torcer para que as peças se encaixem. Espera-se por mudanças administrativas com novos nomes, novas ideias. Acho tudo isso válido. O resultado futuro que dirá o certo ou errado.

Cruzeiro tem boa base, mas precisa de reforço para a Libertadores                                         

Cruzeiro vence Copa Brasil e sonha com a taça Libertadores em 2018 (Foto: Superesportes}

A semana do Cruzeiro se baseou em especulações e necessidade de contratação de um homem de área, um centro avante. Fala-se em Fernandão, que joga na Turquia, no Fenerbahce. Um jogador nada brilhante, apenas raçudo, mas de pouca técnica. Enfim negociações acontecem e o que pega é a falta de recurso financeiro do time celeste e o alto salário do jogador. Fora isso, apenas o Egídio é a novidade para o ano que tem Libertadores das Américas. Certo é que Mano Menezes tem uma boa base montada. Para chegar novo reforço, que seja de ponta, atleta de titularidade. É isso que o torcedor espera – e quer ver.

América mantém base e também busca reforços para o Brasileirão

Campeão do Brasileirão série B, América mantém base e busca reforços (Divulgação)

Já o Coelhão, bem ao estilo mineiro, vai quietinho montando seu grupo para o próximo ano. Renovações de contrato estão acontecendo. Apenas o volante Hernandes e o meia Rui deixaram o clube até o presente momento. Com base mantida e negociações para reforços à disposição de Enderson Moreira. Comenta-se a contratação de Aylon, do Internacional, Osvaldo, ex-São Paulo, Fluminense e Sport e o Renato Cajá que estava na Ponte Preta. Bons valores, que podem com certeza agregar para se ter um Coelhão forte no próximo ano. É esperar para ver – e crer.

*Luiz Linhares é diretor de Esportes da Rádio Itabira-AM

 

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário