O Brasil perde um grande filho português

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Mauro Andrade Moura*

Alípio Cristiano de Freitas, homem de grande firmeza, frade português e revolucionário brasileiro, cuidou de cuidar dos camponeses no sertão nordestino, faleceu hoje aos 88 anos de idade.

Alípio Freitas, um dos fundadores da Liga Camponesa (Foto: divulgação)

Alípio nasceu em 1929, na região de Trás-os-Montes em Portugal, Ordenou-se padre em 1952 e desde logo procurou viver junto das comunidades, primeiramente junto dos camponeses pobres da Serra de Montesinho.

Veio para o Brasil a convite do arcebispo do Maranhão. Dando aulas na universidade, ainda encontrou tempo para fundar a paróquia onde foi viver e compartilhar seus conhecimentos junto aos camponeses e com os muitos desvalidos que lá viviam.

No Maranhão, Alípio de Freitas empenhou-se em organizar a criação de uma escola e de um posto médico. A partir daí, participou da política acabando por apoiar a candidatura de Miguel Arraes ao governo de Pernambuco em uma grande coligação comunista, trabalhista e social-democrata.

Apesar das primeiras prisões, naturalizou-se brasileiro. Com Francisco Julião foi cofundador das Ligas Camponesas.

Não bastasse todo o sofrimento, Alípio de Freitas ainda foi preso, torturado e condenado pelos milicos nos anos de chumbo de 70, preso pordez anos em Santa Cruz Fortaleza, no Rio de Janeiro.

Tive a honra de uma dia apertar a mão desse nosso herói do cotidiano.

*Mauro Moura, memorialista itabirano e lusófilo.

Compartilhe.

Sobre o Autor

2 Comentários

  1. Pingback: Ele era o nome da “canção”, verdadeiro lúcido e convincente

Deixe um comentário