Macrorregião centro permanece na onda vermelha e deve fechar o comércio não essencial. Já a micro de Itabira ainda está na amarela

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Com a macrorregião Centro, à qual pertence a micro de Itabira, ingressando na onda vermelha, é grande a possibilidade de novas medidas restritivas serem baixadas pelo prefeito Marco Antônio Lage (PSB) nos próximos dias.

Por decisão, nessa quarta-feira (6), do Comitê Extraordinário Covid-19 de Minas Gerais, das 14 regiões do estado, apenas quatro permanecem na onda amarela.

Todas as demais ingressam ou permanecem na onda vermelha, que é a fase mais restritiva do programa, com validade a partir deste sábado (9). Para justificar as medidas mais restritivas, o comitê alega que a taxa de incidência da Covid-19 cresceu 9% no estado nos últimos sete dias.

Estranhamente, na aba transparência do portal Minas Consciente consta que a microrregião de Itabira ainda se encontra na onda amarela, o que deu respaldo ao prefeito para não decretar o fechamento do comércio não essencial no início desta semana.

Isso enquanto, contraditoriamente, na aba com a relação dos municípios que estão na onda vermelha constem todos que integram a microrregião de Itabira.

São eles: Barão de Cocais, Bom Jesus do Amparo, Catas Altas, Ferros, Itambé do Mato Dentro, Passabém, Santa Barbara, Santo Antonio do Rio Abaixo, Santa Maria de Itabira, São Gonçalo do Rio Abaixo, São Sebastião do Rio Preto.

Numa das abas do programa Minas Consciente consta Itabira e demais municípios da microrregião na onda vermelha

Sem dourar a pílula

“Se a microrregião de Itabira ingressar na onda vermelha, não vamos ‘dourar a pílula’. Vamos baixar decreto determinando o fechamento de todo o comércio não essencial, mesmo que isso prejudique ainda mais os comerciantes”, assegurou o prefeito em coletiva de imprensa na segunda-feira (4).

Se isso acontecer, Itabira volta a sofrer as mesmas restrições semelhantes as que ocorreram entre 18 de março e 25 de abril. Após esse período de quarentena coletiva, por decreto, o ex-prefeito Ronaldo Magalhães (PTB) voltou a flexibilizar as medidas para não atrapalhar as vendas do comércio no período que antecedeu ao Dia das Mães.

Já depois de Itabira aderir ao programa Minas Consciente, o município ingressou pela primeira vez na onda vermelha no dia 12 dezembro. Entretanto, mais uma vez o ex-prefeito ignorou as medidas restritivas, baixando novo decreto permitindo o funcionamento dos setores não essenciais, dessa vez para não prejudicar as vendas de Natal.

Já na aba transparência, a microrregião de Itabira ainda está na onda amarela, daí a confusão que tem gerado nas informações

Agravos

O quadro epidemiológico no município, estado e país vem se agravando desde a campanha eleitoral. Mas se intensificou com as festas de fim de ano, principalmente com as aglomerações de jovens que, muitas vezes contaminados e assintomáticos, levam o vírus para casa e aos locais de trabalho.

Isso faz com que aumente a taxa de transmissão do vírus, pressionando o sistema de saúde. No painel de monitoramento da Covid19, da Prefeitura de Itabira, a microrregião de Itabira ainda está na onda amarela;

Mas isso pode mudar depois da decisão do Comitê Extraordinário nessa quarta-feira, mesmo com a ocupação de leitos nos dois hospitais esteja, ainda, sem ameaçar de colapso o sistema municipal de saúde.

De acordo com o painel de monitoramento, a taxa de ocupação de leitos SUS nas enfermarias está em 36%, enquanto o total de leitos ocupados na enfermaria registra taxa de 22%.

Entretanto, o que mais preocupa é a velocidade da propagação do vírus no município e na região, que está acima de 1. Isso significa que um grupo de 100 pessoas contaminadas, ainda que assintomáticas, podem transmitir a doença para mais de 100 indivíduos.

Já a taxa de isolamento social em Itabira está próxima de 30%, quando o ideal é que esteja acima de 50%. Confira aqui no painel de monitoramento da Covid-29 em Itabira.

De acordo com o painel de monitoramento da Covid-19 em Itabira a taxa de ocupação de leitos ainda é “baixa”

Fechamento

Se Itabira cair para a onda vermelha, e o prefeito de fato não “dourar a pílula”, só podem continuar funcionando os setores considerados essenciais, como supermercados, padarias, restaurantes (com restrições no atendimento), açougues, farmácias, postos de combustível, bancos e serviços de saúde.

Nessa situação, as demais atividades deixam de funcionar até que passe a onda – e a microrregião permaneça na onda amarela ou que progrida para a onda verde.

Onda vermelha em quase todo estado de Minas Gerais

Segundo o plano Minas Consciente, as regiões CentroOesteJequitinhonhaLesteLeste do SulNordesteVale do AçoSudeste, e Centro-Sul  estão na onda vermelha, a mais restritiva, em que somente os serviços considerados essenciais são permitidos.

Entretanto, o mesmo programa apresenta a microrregião de Itabira ainda na onda amarela. Portanto, a decisão de adotar mais medidas restritivas é do prefeito Marco Antonio Lage. Ele já disse que fecha o comércio caso a microrregião de Itabira ingresse na onda vermelha. Isso, com certeza, está prestes a acontecer.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário