Itabira pode sofrer com falta d’água na estiagem deste ano

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Apesar das chuvas em profusão neste ano, moradores de Itabira podem sofrer mais uma vez com a escassez de água no período de estiagem, que se estende de julho a novembro. É que a solução para o problema de desabastecimento na cidade, que sempre se repete no período, só deve ocorrer a partir de 2019, quando enfim entra em operação a nova Estação de Tratamento dos Gatos (ETA), que vem sendo construída desde o ano passado.

Grupo da Água em reunião na Câmara: buscando soluções para o abastecimento atual e futuro na cidade (Fotos: Carlos Cruz)

A informação é do diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), Leonardo Ferreira Lopes. Segundo ele, a nova e ampliada ETA terá capacidade para ofertar 100 litros por segundo (l/s), suprindo a defasagem na estiagem, que é dessa grandeza. E resolverá a questão do desabastecimento no médio prazo.

Com a estação entrando em operação, o sistema Gatos passa a produzir 190 l/s. Atualmente, as três ETA’s (Pureza, Gatos e Três Fontes) têm capacidade de fornecer 400 l/s, isso depois que entrou em operação o reforço da adutora do rio de Peixe.

Essa disponibilidade hídrica, no entanto, cai para menos de 300 l/s na estiagem, o que certamente irá impactar o fornecimento de água na cidade no período de seca. “É esse déficit de 100 l/s que será resolvido com a ampliação da ETA Gatos. Isso para que no médio prazo não falte água na cidade”, explica o diretor-presidente do Saae.

Mesmo com esse previsto déficit para este ano, e que afeta principalmente os bairros localizados em pontos mais altos da cidade, o dirigente do Saae não acredita que irá se repetir a crise hídrica ocorrida em 2012, que afetou o abastecimento em quase todos os bairros. “Temos como fazer algumas manobras para amenizar o impacto da queda de oferta. Mas a população deve fazer sua parte, com consumo consciente de água.”

Com a ampliação da ETA Gatos, Itabira alcança um balanço hídrico para o médio prazo

Com o reforço da nova ETA Gatos, a capacidade nominal de produção de todo sistema de captação, tratamento e abastecimento da cidade saltará dos atuais 400 l/s para 500 l/s. Segundo informa o Saae, um litro de água por segundo é suficiente para suprir a demanda de 380 moradores.

Portanto, a partir do próximo ano, Itabira terá água suficiente para abastecer até 190 mil moradores – sendo que hoje, de acordo com o IBGE, a população estimada é de 120 mil habitantes (censo de 2017).

Rio Tanque

Já para o longo prazo, o Saae planeja investir na captação de 500 l/s do rio Tanque, dobrando o fornecimento de água na cidade para 1.000 l/s. “Será solução definitiva para o abastecimento na cidade, inclusive para o crescimento industrial que o município tanto almeja”, defende o diretor-presidente do Saae.

Considerando que um litro por segundo supre a demanda de 380 moradores, se viabilizar a captação no rio Tanque, Itabira terá água suficiente para suprir uma população de até 380 mil moradores. Como esse número está longe de ser alcançado, sobrará muita água para atrair novas e grandes indústrias. Pelo menos, é o que se espera.

Anel hidráulico

Outro investimento que o Saae irá fazer, e que segundo Leonardo Lopes não estava previsto no projeto original de ampliação da ETA Gatos, é a construção de um anel hidráulico para interligar as ETA’s. “Esse anel é tão importante quanto o reforço da nova ETA Gatos”, disse ele na reunião do grupo da Água.

Reservatório construído no Alto do Pinheiro está quase pronto para receber água da ETA Gatos

Segundo explica Leonardo Lopes, o anel irá interligar os sistemas de tratamento e distribuição de água na cidade. Com ele, se num determinado momento o sistema Pureza, que abastece 55% da população urbana, passar por dificuldade, o Saae terá como suprir a demanda com oferta de água de outras ETA’s.

“O anel hidráulico possibilitará fazer esse balanço hídrico, acabando com essa situação de ter excesso de oferta em alguns bairros, enquanto falta água em outras localidades”, explica. “Esperamos que a partir daí, nenhum morador de Itabira terá o desprazer de conviver com a falta de água.”

Ainda como parte do reforço da ETA Gatos, foi construído um novo reservatório no alto do Pinheiro, com capacidade de reservação de 2,6 milhões de litros. “Será o maior e mais moderno reservatório da cidade”, distinque o dirigente do Saae.

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Pingback: Saae pretende captar água no rio Tanque, mas existem outras alternativas

Deixe um comentário