Grupo de Escoteiro de Itabira é pioneiro na defesa do meio ambiente

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Marconi Ferreira*

 

Uma canção de aproximação. 60 anos fazendo o bem.

Alcateia do Grupo de Escoteiros Padre Olímpio, anos 1970 (Fotos: acervo Marconi Ferreira)

Era o dia 12 de um longínquo mês de agosto de 1957. Vários mineiros de Itabira reuniram-se na sede do Sindicato Metabase, situada na histórica Rua Santana. O objetivo era buscar uma alternativa para ocupar o tempo ocioso dos meninos da mina.
Naquela noite histórica, foi fundado o nosso querido Grupo de Escoteiro Padre Olímpio, movimento fundamentado na vivência de princípios éticos, morais e espirituais, que nos últimos 60 anos vêm orientando, formando caráter e inserindo valores na mente de crianças, jovens e adolescentes de nossa Itabira.
É o terceiro grupo de escoteiro mais antigo de Minas, e um dos mais velhos do Brasil. Completa agora, 60 anos de existência fazendo o bem, em defesa do meio ambiente, respeitando e valorizando a cidadania, participando da vida em sociedade.
O nome do Padre Olímpio foi escolhido pelo saudoso Monsenhor José Lopes dos Santos, em homenagem ao sacerdote, filho de Itabira.
Ao longo de décadas, itabiranos e itabiranas escreveram essa bela história de amor à cidade. Uma das mais importantes instituições criadas em nosso município.

Zé Sérgio foi um dos fundadores e pioneiro na defesa do meio ambiente

Os senhores Benedito Moreira de Souza, José Felipe Adão, José Sérgio Rosa, Geraldo Magela Umbelino, Luiz Gonzaga Correia e centenas pessoas de bem, ajudaram e ainda ajudam a escrever essa bela história de amor em nossa Itabira. Muitos já partiram para o grande acampamento,ao encontro do grande chefe. Outros estão “Sempre Alerta” aqui, neste mundo de meu Deus, cumprindo ainda a bela missão de servir.
Quantas lembranças!
Bosque da chácara do Zé Sérgio, viagens nas cidades de Minas e outros Estados. Sede no hangar do aeroporto na vila Sagrado Coração de Jesus. Sedinha do bairro Bela Vista, encontros na Sedinha da Cobal.
Saudades dos acampamentos e do solene “fogo do”, quando reuníamos ao redor da fogueira, momento em que nos aquecíamos embalados ao som de canções escoteiras e brincadeiras.
Saudades também dos momentos em que nos emocionávamos ao sentir a presença de Deus, retratado na beleza da natureza e no silêncio da floresta.
Saudades dos desfiles do dia 07 de setembro, ao som dos clarins e tambores, quando garbosamente demonstrávamos nosso amor à Pátria querida.
Quanta lembrança do dia da Promessa Escoteira, quando recebíamos o nosso primeiro distintivo.
Quantas lembranças gostosas.
“Minha mãe vou lhe pedir”.

Não quero te aborrecer.
Para ser um homem forte
um escoteiro eu quero ser.
No riacho a minha roupa
eu vou lavar.
Aproveito este momento.

para o meu banho tomar
O meu chefe saberá me ensinar
andar pela floresta, sem espinho a me
atrapalhar
Quantos espinhos consegui arrancar na caminhada em consequência de valores recebidos ao longo de minha infância e juventude, no Grupo de Escoteiros de Itabira.
Ensinamentos de valores princípios de cidadania, formação de caráter, amor ao próximo, à Pátria, à natureza.

Noções de ecologia, em um tempo, em que poucos pensavam em proteção ao meio ambiente.
Parabéns, meu querido Grupo de Escoteiro Padre Olímpio, por tantos anos fazendo o bem as crianças, adolescentes e jovens de minha querida Itabira.

Sou grato a Deus por ter permitido, por muitos anos, fazer parte desta família. E posso dizer e com muito orgulho: ‘Escotismo é mesmo uma verdadeira canção de aproximação’.

Sempre Alerta.
Para servir
O melhor possível.

 

*Marconi Ferreira é escritor e poeta itabirano

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário