Futebol dá pausa para o Carnaval e agora a bola precisa rolar redonda

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Luiz Linhares*

Já faz um bom tempo que o calendário do futebol brasileiro vem sendo estudado e se tentado adequações para que se torne mais eficiente e menos pesado para os atletas de forma geral.

Neste ano em alguns estados, como em Minas Gerais, passamos o período momesco sem bola rolando, sem jogos no sábado de folia como vinha acontecendo em anos anteriores. Melhor assim: a festa da folia ficou exclusiva e serviu para atletas e clubes se acertarem de outras formas.

Sem dúvida essa decisão foi uma boa medida. Resguarda assim os já combalidos campeonatos estaduais, e que já têm sido apontados como responsáveis por fracassos iniciais de alguns. São competições tão desvalorizadas que qualquer ganho se torna significativo.

Eliminado da Sul-Americana, Atlético aguarda reforços para ter algo positivo em 2020              

Atlético é eliminado da Sul-Americana e tem novo desafio mata-mata nesta quarta-feira: é vencer e vencer para permanecer na competição (Foto: João Guilherme/Estadão). No destaque, charge de Duke (Ludopédio)

O Atlético viveu na semana passada o seu primeiro fracasso no ano. A copa Sul-Americana era a competição internacional do clube no ano. Pena que se foi na primeira fase.

O Galo não conseguiu ultrapassar a primeira barreira e seguir de forma vitoriosa para buscar este titulo inédito. Foi um primeiro revés que deixa o comandante venezuelano Rafael Dudamel submetido à forte pressão por resultados imediatos.

Ainda pelo sistema de jogo mata-mata, o Atlético tem nesta quarta-feira de cinzas mais uma batalha, agora pela Copa do Brasil. O que poderia ser considerado um jogo fácil, o que se viu foi a partida se transformar em mais uma dura e desafiante batalha pelo baixo desempenho do time mineiro.

O Galo joga precisando vencer o pequeno Afogados, no interior de Pernambuco, o que é obrigação com toda certeza. Se ocorrer algo diferente se torna zebra e deve causar um estrago enorme. Pode até mesmo encerrar precipitadamente um ciclo que deveria ter duração longa, não tendo, portanto, um final feliz.

O time mineiro teve no Independência um primeiro tempo brilhante, com força coletiva e de ataque, contra o argentino Union de Santa Fé. Foi o que elevou, naquela hora, a esperança atleticana de que após dois gols no tempo inicial, faria mais dois no segundo tempo. E assim teria sobra de gols, o que devolveria em grande estilo o vexame da derrota sofrida em solo argentino.

Foi ilusão. Veio o segundo tempo e o time perdeu força. Não mais teve o domínio do jogo e ficou apenas na vantagem diminuta, sem produzir o efeito desejado que fosse a classificação para seguir em frente na copa Sul-Americana.

Faltou time e a qualidade que se espera para breve com a incursão de Diego Tardelli e de outros atletas que certamente chegarão para fortalecer e traduzir este time em um realmente postulante a conquistar algo dentro do ano. É sim o que se espera para tudo caminhar de forma positiva.

Cruzeiro também precisa melhorar para retornar à primeira divisão do Brasileiro

Cruzeiro também precisa de reforços para retornar à elite do futebol brasileiro (Foto: Ricardo Danilo/Divulgação/Cruzeiro)

O time cruzeirense também mostrou fragilidade assim que o novo grupo foi colocado à prova.

Os jovens reforços não conseguiram ainda cair na graça dos torcedores e nem mesmo dentro de campo fazerem por merecer a titularidade. Claro que são sabidas as dificuldades que se fariam presentes, mas havia certa esperança, talvez pelos primeiros resultados, de que haveria uma sequência mais positiva.

 O momento que o time celeste vive demonstra que muito se tem a fazer. O grupo de momento dificilmente chegará a meados do ano com a formação atual ou em boa parte dela.

Chega Marcelo Moreno com a identidade de cruzeirense e o faro para os gols que o clube tanto necessita. É o primeiro apenas de uma lista grande que terá que acontecer, pensando principalmente no mais importante que será a busca pelo retorno à divisão principal de nosso futebol.

Caiu à invencibilidade no estadual sem força para reagir diante de um time bem arrumado como o Tombense. Derrota para se tirar lição e tentar melhorar para buscar uma vaga entre os que vão para a fase semifinal da disputa do Mineiro.

Isso sem se esquecer também da Copa do Brasil, competição pela qual o caminho azul é ainda de muita confiança.

*Luiz Linhares é diretor de Esportes da rádio Itabira-AM

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário