Exposição dos 40 anos do jornal O Cometa passa a ser aberta nos finais de semana no Centro Cultural

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Para atender à grande procura, a partir deste fim de semana até o fim do mês, a exposição A Liberdade de Expressão na Trajetória d’O Cometa Itabirano será aberta também nos fins de semana, aos sábados e domingos, no horário de 10h30 às 16h30, na galeria da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade. Nos dias úteis, o horário continua o mesmo: de 8h às 18h.

A mostra dos 40 anos da trajetória desse importante jornal alternativo itabirano, que figura entre os principais “nanicos” do país, como eram chamadas as publicações que se opunham à ditadura militar (1964/85), segue em cartaz até 31 de janeiro. Leia aqui.

O jornal O Cometa Itabirano começou a circular em Itabira no dia 15 de novembro de 1979, quando o país vivia a abertura política do general João Batista de Figueiredo, que além de preferir o cheiro de cavalos ao de gente, ainda mandava prender e enquadrar na Lei de Segurança Nacional (LSN) os adversários políticos do regime militar.

O Cometa respondeu a processo na IV Auditoria Militar, sediada em Juiz de Fora, com base na LSN, por ter denunciado o ex-ministro de Minas e Energia César Cals de Oliveira de surrupiar, como um “curiango”, uma grande quantidade de esmeraldas de um garimpo em Itabira. (lei aqui).

Essa passagem histórica e tantas outras estão registradas na exposição. Como está também a relação fraternal e cúmplice do jornal com o poeta Carlos Drummond de Andrade, que disse ser uma invenção do Cometa, diante de tanta badalação que era publicada em torno de seu nome e de sua obra nas páginas do jornal alternativo itabirano.

Humordaz

Com humor e irreverência mordaz, no jornal não havia pauta proibida. A questão ambiental da mineração que impacta a cidade e desaloja moradores de seus territórios (Haja Paciência), o garimpo de ouro no Pontal, tudo isso está presente na mostra cultural e jornalística.

Assim como estão expostas as grandes entrevistas com Tancredo Neves, com o senador Teotônio Vilela, o menestrel das Alagoas, paladino da campanha pela anistia aos presos e deportados políticos pela ditadura, assim como a campanha pelas Diretas já para presidente, além de artistas nacionais como Hermeto Pascoal, Paulo Autran, Elke Maravilha, Plínio Marcos, Millôr Fernandes.

Parte dessa história pode ser revisitada na exposição, aberta no centro cultural desde 21 de dezembro. A curadoria da exposição é do multiartista Genin Guerra, um dos fundadores do jornal ao lado de Lúcio Sampaio, Carlos Cruz (editor deste site), Lelinho Assuero, Altamir Barros, Luiz Zanon, Alfredo Sampaio, Marco Antônio Furtado, Fernando Duarte Gonçalves, Eduardo Cruz, Humberto Sampaio – e tantos outros que formaram esse importante coletivo da imprensa itabirana.

Segundo a assessoria de imprensa da FCCDA, tradicionalmente a galeria só é aberta de segunda a sexta-feira. Mas como tem sido grande a procura, inclusive por itabiranos ausentes e turistas, foi decidido pela sua abertura também nos fins de semana.

Vale a pena conferir e conhecer esse importante registro dos últimos 40 anos de parte da história de Itabira e do país.

O vídeo entrevista com os fundadores do jornal pode ser assistido aqui:  https: https://www.youtube.com/watch?time_continue=5&v=m30OWFgCZ6I

Mais informações pelo site www.fccda.com.br ou pelo telefone (31) 3835-2102.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário