Estado plurinacional e o combate das elites conservadoras

0
Compartilhe.

Rafael Jasovich*

Começarei este texto me explicando: mesmo sendo ou tendo sido advogado, não é minha especialidade o direito constitucional, mas como jornalista sou um bom observador e tenho a mente aberta aos novos horizontes que se desenham pelo mundo, principalmente para a América Latina , minha utopia de PATRIA GRANDE.

Então vamos lá, mas não sem dar uma boa noticia antes. O povo indígena da Bolívia , nessa segunda-feira (18) rompeu o cerco policial e entrou em Cochabamba.

El Estado es la sociedad política  jurídicamente organizada capaz de impor la autoridad de la ley en el interior y afirmar su personalidad y responsabilidad frente a las similares del exterior.

Por su parte, un Estado plurinacional es la organización política y jurídica de una sociedad de varias naciones unidas en un solo Estado con Gobierno de representación plurinacional y sujetas a una única Constitución Política.

El Estado plurinacional tiene base en el Principio de la Plurinacionalidad, que es el principio político que permite aspirar al pleno ejercicio de los derechos de todas las naciones que existen en un Estado.

En un Estado puede haber varias naciones. Y, ¿qué es una Nación? Una nación es “(…) toda la colectividad humana que comparta identidad cultural, idioma, tradición histórica, instituciones, territorialidad y cosmovisión (…)” (Constituição Política do Estado (cpe) Art. 30, numeral I).

O Equador, no momento em que se caracteriza pelo fato de que as forças progressistas assumiram a bandeira hasteada pelo movimento indígena na década de 1990, elaborou uma nova Constituição que reconhece a diversidade de forma profunda através da multinacionalidade.

Os progressos nos últimos 20 anos permitiram-nos passar da invisibilidade para a visibilidade, da resistência à proposta e agora da interculturalidade à multinacional. É importante considerar isso ao analisar o processo constituinte atual.

A Constituição é simplesmente um papel que tem sido uma fonte de frustração há muito tempo. Vários direitos foram incluídos, mas os povos continuam a ser excluídos, empobrecidos, invisibilizados e oprimidos. Trata-se de um novo tipo de constitucionalismo que envolve um projeto político de país diferente, outra forma de cultura, convivência, territorialidade, institucionalidade do Estado.

Este é um novo período, interessante, mas muito difícil, pois há muitos inimigos internos e externos que são muito bem organizados. O modelo atual de Estado é homogeneizante porque envolve uma nação, cultura, lei, exército e religião.

Essa idéia de homogeneidade predomina nos chefes das elites, da cultura e até mesmo das forças progressistas que são ou podem ser aliadas nesse processo. Daí a importância de defender outro tipo de unidade na diversidade que não é simplesmente aceito, mas celebrado.

A unidade não tem de ser homogênea e a diversidade não tem que se desintegrar. Estes são os desafios que a nova Constituição deve enfrentar para que o processo político atual envolva efetivamente uma grande ruptura com o colonialismo que não terminou com a independência.

As várias iniciativas políticas que estão surgindo no continente só podem ser entendidas reconhecendo a existência de um racismo profundo na sociedade. Por exemplo, não podemos entender os conflitos na Bolívia sem primeiro lembrar que, para suas elites, um índio é apenas um índio e eles não concebem ter se tornado presidente porque, segundo eles, ele não é competente.

Se olharmos para a história, lembraremos que na Colônia eles acreditavam que os índios não tinham alma e que era um papa em 1537 que tinha que reconhecer que eles fizeram. Foi preciso passar 500 anos, um processo histórico muito longo, para que um índio fosse eleito democraticamente.

Este processo político significa uma nova visão do país, uma refundação do Estado equatoriano. Bolívia e Equador estão inventando outro tipo de Estado, um estado moderno que merece novas instituições e novos territórios com um quadro político diferente que permite do discurso à prática e mudanças refletidas de forma visível.

A multinacional é um ato fundador ou reformulação do Estado e todos os atos fundamentais são transitórios. Passar das velhas estruturas para a construção de novos Estados é um processo de transição que não é apenas político, mas cultural e pode provocar confrontos como está acontecendo no Equador e na Bolívia.

São confrontos na memória entre aqueles que não podem esquecer e aqueles que não querem se lembrar. Este confronto que não é apenas político, mas também cultural, requer a construção de outro tipo de memória.

O novo modelo de Estado implica uma nova institucionalidade, outra territorialidade, mas também outro modelo de desenvolvimento. Daí a importância das concepções indígenas que estão ganhando terreno porque vão além de reivindicações puramente étnicas.

Hoje, a visão dos povos indígenas é importante no continente e não só para eles, mas para todo o país, porque o atual modelo de desenvolvimento está destruindo os recursos naturais, o meio ambiente, poluindo a água, particularmente no Equador, como é o caso da Texaco, que durante 30 anos causou pobreza, destruição ambiental e contaminou as águas.

Este é um modelo antigo e as palavras “desenvolvimento” pode não ser o mais adequado. Por que então não usar a palavra “reviver”, que tem uma conotação muito mais profunda e que percebe uma relação diferente com a Pacha Mama.

O conceito de Natureza é muito pobre em comparação com o da Pacha Mama, que é mais profundo e mais rico porque envolve harmonia e visão de mundo. Os índios colombianos costumam dizer “O petróleo é o sangue da terra, é o nosso sangue, a nossa vitalidade, se eles tiram o nosso sangue eles nos matam”.

Essa concepção de que para os povos indígenas é muito natural começa a ter outra aceitação. Não só está em jogo uma crise do capitalismo, mas também a sobrevivência da humanidade se o atual modelo de desenvolvimento for mantido.

Passar da interculturalidade para a multinacional é um salto muito longo, mas também há continuidade nisso. A atual Constituição Política do Equador estabelece círculos eleitorais indígenas, mas infelizmente eles não foram regulamentados.

Os povos indígenas são os defensores da soberania nacional no atual período do neoliberalismo, no qual os Estados Unidos por meio da diplomacia e estratégia militar, há anos garantem às suas multinacionais livre acesso aos recursos naturais.

É para esses setores que os povos indígenas são uma ameaça por suas concepções de território, visões de mundo e a proposta de multinacionalidade. A arrogância imperial não tem limites para incluir territórios indígenas e recursos naturais como parte de sua estratégia de segurança nacional.

Portanto, é importante analisar esses princípios no Equador e na Bolívia como processos mais amplos que enfrentam grandes desafios.

A nova territorialidade também implica na gestão dos recursos naturais e o medo dos setores conservadores e até mesmo progressistas é o de que os povos indígenas assumam a água e todos os recursos naturais. Isso reflete o nível de racismo que existe.

*Rafael Jasovich é jornalista e advogado, membro da Anistia Internacional

Foto: AFP

Sobre o Autor

Deixe um comentário