Diretoria do Cruzeiro pode renunciar nesta semana e time precisa reagir para não cair para a segunda divisão

0
Compartilhe.

Luiz Linhares*

A situação do Cruzeiro está a cada dia que passa mais complicada. No último final de semana caiu mais uma posição na tabela de classificação, ficando agora na antepenúltima colocação – e atrás do limitado time do CSA das Alagoas.

Por outro lado vi melhoras na produção da equipe na partida contra o Internacional, no Mineirão. Pelo menos deixou de perder, conseguiu um empate e, na minha maneira de analisar futebol, se tivesse de ter um vencedor na partida certamente este seria o Cruzeiro.

Foi um jogo em que a equipe mostrou vontade, comprometimento e bem focada na busca da vitória. A presença do Abel Braga, no meu entender, já mostra benefícios de forma geral, conseguindo unir o grupo e fazer com que todos busquem o objetivo de encontrar um bom padrão de jogo e lutar a todo tempo pela superação, objetivando a vitória.

Pena que mais uma vez, por vacilo, uma falta de atenção na marcação originou logo com dez minutos de jogo uma contra carga gaúcha, com liberdade para finalizar e fazer o primeiro gol que tornou as coisas ainda mais difíceis para o time celeste.

Ponto positivo por não ter sentido tanto o gol. O time continuou focado, se impondo em campo e criando boas oportunidas para a conquista do empate. Pena que o ataque não tem correspondido satisfatoriamente. A bola chega ao momento de definição da jogada, mas os atacantes não têm correspondido. Sem gols, não há como sair vitorioso.

Mas o certo é que foi um time guerreiro, se isso serve de consolo. Lutou em busca do resultado e acabou sendo beneficiado por uma penalidade máxima marcada pelo árbitro de vídeo e afiançada pelo juiz do jogo. Lance bem duvidoso em que se eu fosse o árbitro não marcaria. Falta em Orejuela dentro da área, Fred cobrou com qualidade e fez o gol de igualdade do Cruzeiro.

No terceiro quarto do jogo, o time sentiu o desgaste e deu espaços para o Inter, conseguindo segurar o empate. Ruim pelo momento da equipe e pela posição na tabela. Gratificante por mostrar um rendimento no conjunto melhor e assim ter a condição de almejar uma sequencia com vitórias que afastarão o Cruzeiro do grupo dos últimos colocados.

Cada jogo daqui pela frente será uma decisão. O Cruzeiro precisa melhorar, em muito, o seu rendimento, o que passa a ser a grande meta de Abel Braga, Sem isso, estará o time celeste bem próximo da serie B do Brasileiro.

Neste meio de semana um jogo de quantidade de pontos incalculável, quando enfrenta o Fluminense no Mineirão. Vale a honra, vale a reação, vale a possibilidade de abrir o caminho para se manter na competição principal do futebol brasileiro.

Nos bastidores, a semana também promete. Existe a possibilidade de acordo e renúncia do atual presidente Wagner Pires de Sá e de seus principais diretores principais. Tudo em nome de uma pacificação do clube, premissa também necessária para o time iniciar a sua reação.

Galo deixa escapar vitória que parecia fácil, abdicando-se do ataque como melhor defesa

Atlético teve atuação impecável no primeiro tempo, mas cansou e cedeu o empate no final do segundo tempo. No destaque, o Cruzeiro que só empatou com Internacional (Fotos: Divulgação/Palmeiras e Vinnicius Silva/Cruzeiro)

Já o Atlético iniciou uma maratona de jogos importantes. Começou mal perdendo para o Vasco da Gama em pleno estádio Independência. Foi a São Paulo e encheu os olhos no tempo inicial, quando fez uma partida perfeita no desarme.

Com isso neutralizou o Palmeiras, buscando nos contra ataques as boas chances para abrir o marcador, seja com Otero na bola parada, na evolução do passe ou mesmo com a finalização à meia distância, obrigando o goleiro adversário fazer defesas arrojadas.

Sintetizando, o Galo foi quase perfeito no tempo inicial, perdendo três chances reais de gols. E, num belo lance do meia Nathan, fez o gol no final do tempo inicial.

Era tudo que queria o Galo, dando-se bem e neutralizando o adversário com casa cheia e na casa deles. Mas veio o segundo tempo, perdeu forças com o passar do tempo, com demonstração de desgaste.

E assim o time alvinegro seguiu na partida. E, com poucas boas opções de mudança, cedeu espaço para o time paulista crescer na partida. O time paulista chegou ao empate pela insistência e força de elenco, com a boa qualidade do atacante Dudu e pelas mudanças praticadas no time.

Não seria na verdade um mal resultado empatar com o forte Palmeiras dentro de seu estádio. Duro é deixar escapar uma vitória nas circunstancias que se fizeram. Após ser altamente aplicado, no fim faltou perna para segurar o feito. Méritos também ao adversário que lutou durante todo o tempo.

América encosta nos primeiros colocados para retornar à elite do futebol brasileiro

O Coelho encostou de vez nos primeiros colocados e na terça-feira pega o líder Bragantino no Independência. É Vencer e ver o que vai acontecer.

O certo é que o América está sendo o bom mineiro neste momento do Campeonato Brasileiro. Deixou o pior para trás e vai tentar chegar para a briga rumo a serie principal do futebol brasileiro. Que assim seja.

*Luiz Linhares é diretor de Esportes da rádio Itabira-Am

Sobre o Autor

Deixe um comentário