Dezembro tem campanha em Itabira contra abandono e maus-tratos de cães e gatos

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Neidson Freitas é autor do projeto que cria a campanha (Fotos: Carlos Cruz e Sérgio Santiago/CMI)

A Câmara Municipal aprovou nessa terça-feira (27) projeto do vereador Neidson Dias Freitas (PP) que institui o Dezembro Verde, que estabelece para todo o mês a realização de campanhas educativas, de conscientização e combate ao abandono de animais domésticos (cães e gatos). Os maus-tratos desses animais também estão no foco da campanha, com estímulo à guarda responsável.

A campanha será realizada principalmente nas escolas, por meio do projeto Câmara Escola – e também do Conexão Jovem, da Secretaria Municipal de Educação. “Acreditamos nos efeitos multiplicadores da conscientização junto à comunidade escolar”, diz o presidente da Câmara.

Segundo ele, dezembro foi escolhido para desenvolvera campanha por ser o mês que começa a temporada de abandono de animais de “estimação” nas ruas e nos arredores da cidade. “É um período em que praticamente dobra o número de animais abandonados”, lamenta.

O vereador lembra que o abandono de animais domésticos é crime previsto no Código Penal e também na legislação estadual. “Ainda não temos uma legislação específica para o município, mas devemos propor a regulamentação dessas legislações para torná-las mais efetivas no município.”

Veterinária examina animal no mutirão de castração do ano passado

O objetivo é também definir políticas públicas que possam coibir os maus tratos – e também o abandono. “As pessoas muitas vezes adquirem um animal por modismo. Depois quando cresce, ou fica velho, o abandona como se fosse um objeto imprestável. Isso precisa ser coibido e punido.”

Para o presidente da Câmara, a campanha visa também reforçar o esforço para diminuir a população de animais de rua. “É uma questão de saúde pública”, frisa.

Isso porque, a maioria das doenças que acometem cães e gatos é também comum aos humanos, com contaminações que podem ser recíprocas. “Sem controle, podemos ter surtos de doenças no município”, adverte.

Ainda para o controle da população de cães e gatos, e também para a saúde do animal, no ano passado foram realizadas 200 castrações, numa campanha em desenvolvida em mutirão.

Para o próximo ano, Itabira passa a dispor do castramóvel adquirido pela Associação dos Municípios do Médio Piracicaba (Amepi), que irá realizar castrações de cães e gatos nos municípios filiados. O castramóvel da Amepi prevê castrar 25 animais por dia.

Para a presidente da Associação de Moradores Protetores dos Animais da Região de Itabira (Ampari), Kelley de Pinho Generoso, a campanha Dezembro Verde não só é bem-vinda como também necessária. “O abandono de animais é comum nessa época do ano. As pessoas saem de férias e não têm onde deixar o seu cão e gato. A solução que encontram é o abandono”, critica.

Ela conta que, no último feriado, só no campus da Unifei foram abandonados cinco animais. “Vem o Natal, Réveillon, Carnaval e as pessoas agem pela lei do menor esforço, abandonando seus ‘bichinhos de estimação’. Muitos só querem manter o cão e o gato enquanto estão bonitinhos. Quando percebem que irão dar trabalho porque cresceram, os abandonam.”

Cadastro 

Kelley Pinho, presidente da Ampari, na Câmara, acompanha a aprovação da campanha Dezembro Verde

A presidente da Ampari espera que a campanha contribua para a “causa animal” ser abraçada pela sociedade. “A guarda consciente e cuidadosa é importante, assim como é a castração para o controle da população de animais de rua”, defende.

Kelley conta que a Prefeitura está realizando um censo para saber qual é o número de animais (cães e gatos) existente na cidade. “Os agentes de endemismo continuam fazendo o levantamento, mas ainda não temos um número fechado”, diz ela, que estima essa população em mais de 20 mil animais.

A ativista defende que se institua uma legislação municipal que torne obrigatório o cadastramento de animais domésticos. “O animal deve sair cadastrado de onde é comercializado. E quem o recolhe na rua também deve realizar o cadastro, que é para se ter um maior controle populacional”, explica.

A Câmara já aprovou uma legislação nesse sentido, mas ainda sem prever o cadastramento. Entre as medidas inclui a realização de mutirões de castração, que facilitam a identificação dos animais e dos respectivos donos.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário