Cultura não é caso de polícia e nem de higiene, mas de política que contemple a todos com criatividade. Participe da 5ª Conferência

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

É célebre a frase de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha Nazista, entre 1933 e 1945, que dizia que “quando ouço falar em cultura, saco logo o meu revólver”. Ou do humorista Millôr Fernandes, parafraseando com humordaz o ideólogo nazista, ao dizer que “quando ouço falar em cultura, saco logo meu talão de cheques”.

E não mais célebre, mas reflexiva do momento cultural que se vive no país, tem-se ainda a infeliz frase de Olavo de Carvalho, oráculo do bolsonarismo e ideólogo de Bolsonaro, que parafraseou todos esses anteriores, cunhando a frase, aplaudidíssima pelos seus apoiadores, inclusive pelo “de cujo” presidente: “quando ouço falar em cultura, saco logo meu rolo de papel higiênico”, repetindo a fixação que ambos, presidente e conselheiro, têm por fezes, ânus e congêneres.

Ao relembrar esses aforismas históricos e atuais, o que se espera é que na 5ª Conferência Municipal de Cultura, a realizar-se nesta sexta-feira (23) e no sábado (24), no teatro da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA), nenhuma frase semelhante venha a ser cunhada por palestrantes, participantes e convidados.

Isso muito embora possa acontecer, uma vez que a cultura no município, no estado e no país não tem sido objeto de desejo de quem detém o poder – e que tem por dever sacar do talão de cheque para repassar o que é devido, por lei e obrigação, ao Fundo Municipal de Cultura, no caso de Itabira.

Programação

A indústria cultural domina a cena artística e o entretenimento

A 5ª Conferência tem início às 8h, com as necessárias inscrições para quem irá participar e ter o direito de votar quando assim se fizer necessário.

Após a abertura oficial, haverá apresentação dos Drummonzinhos recitando poemas, seguidos de intervenções musicais com o compositor Genésio Reis.

Para dar início ao debate sobre economia criativa, o ex-presidente do CMPC Marcelino Castro participa de painel com o prefeito de Catas Altas, José Alves Parreira, que versarão sobre Economia Criativa (Consórcio Intermunicipal de Cultura).

Desse painel participa também o secretário de Turismo e Cultura da histórica e vizinha cidade, Rodolfo Sanches, além do estilista e idealizador do Instituto Igualdade, Transformação e Inovação Social (ITI), Ronaldo Silvestre.

Entre vários casos de sucesso, Silvestre deve apresentar a bem-sucedida experiência com o curso de qualificação profissional em costura e bordados desenvolvido pelo ITI em Itabira. O propósito desses cursos é justamente incrementar na economia a geração de renda com criatividade, com boas perspectivas na cadeia produtiva da indústria da moda. Leia também aqui.

O resultado é o imperialismo cultural que sufoca a genuína arte popular brasileira

No segundo painel, na parte da tarde, a programação contempla o debate sobre Educação Patrimonial (Material e Imaterial), com a conselheira do CMPC, Denise de Andrade Félix. Com ela irá debater o professor João Lucas, docente da Universidade Federal de Itajubá (Unifei).

Participam ainda desse painel Alexandre Braga, ex-membro do Colegiado de Cultura Afro-Brasileira do Conselho Nacional de Cultura e membro da Unegro-BH, além da arquiteta e restauradora Deise Cavalcanti Lustosa.

Na sequencia, ainda na sexta-feira, serão apresentadas as 88 propostas para o Plano Decenal de Cultura, com mais intervenções culturais, encerrando o primeiro dia de debates, com a apresentação do grupo Sambez.

Espera-se que hajam recursos suficientes para incrementar a maioria dessas 88 propostas, com o governo municipal repassando para a cultura os recursos que a legislação determina – e que deveriam ser consensuais, como necessidade básica.

Fim do minério

A 5ª Conferência prossegue no sábado, no mesmo teatro, com encerramento previsto para 18h, com pronunciamento do presidente do Conselho Municipal de Política Cultural (CMPC), Valério Adélio, e apresentação musical com Jhonatas.

Mas antes, a programação terá uma discussão assaz interessante, embora com apelo intertextual desnecessário ao nome do poeta: E Agora Drummond, Cultura Pós-Mineração! Quem abre esse painel é a diretora de Turismo e gestora em planejamento e política cultural, Miriã Fonseca.

Martha Mousinho, superintendente da FCCDA também participa do painel, ao lado do secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia, Inovação e Turismo, José Don Carlos.

Outros convidados para o painel são o presidente do Jeep Club Estrada Real em Itabira, Celso Moreira, o gestor e produtor cultural em Itabirito, Ubiraney de Figueiredo Silva, além do publicitário e engenheiro ambiental Eugênio Müller.

Na parte da tarde, a partir de 13h30, serão compostos grupos de trabalho, com ciclo de debates que se prolongam até 15h30. É quando irá se apresentar o grupo para-folclórico Tumbaitá, seguido de uma última plenária com todos os participantes.

Nessa plenária será apresentada a síntese da 5ª Conferência Municipal de Cultura e revisão das 88 propostas do Plano Decenal de Cultural.

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário