Com o crescimento de Haddad, aumenta o risco de novo golpe civil, jurídico-midiático

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Rafael Jasovich *

Depois de apostar em Luciano Huck, Joaquim Barbosa, Geraldo Alckmin, Marina Silva e até Jair Bolsonaro, parece que agora o establishment e a grande mídia estão jogando suas fichas em Ciro Gomes, para impedir a quinta vitória consecutiva de Lula e do PT. Qualquer um serve, como sabemos.

Há um cheiro de golpe no ar, mas o povo nas ruas é arma da resistência. Ilustração: Paulo Stocker. No destaque, ilustração de Cau Gomes

Até agora, porém, segundo as últimas pesquisas, não deu certo. Haddad continua subindo e Bolsonaro está consolidado na liderança.

Só FHC ainda acredita, ou finge acreditar, numa virada de Alckmin contra os candidatos dos “extremos”.

Crescimento da chapa Fernando Haddad/Manuela D’ávila assusta a elite golpista (Foto: Ricardo Stuckert)

Por onde passa o candidato Fernando Haddad arrasta multidões movidas pela esperança de que o Brasil retome seu caminho de respeito à soberania popular, desenvolvimento com inclusão social, geração de emprego e renda, forte investimento no social e espaço garantido para os pobres no orçamento.

E o fiador deste sentimento que avança a galope país a fora é Lula. Indestrutível politicamente, o ex-presidente segue emparedando as elites, mesmo encarcerado em Curitiba.

Em estados conservadores como Espírito Santo assistimos os seguidores de Lula/Haddad em manifestações multitudinárias, pouco tempo atrás impensáveis.

Contudo, são visíveis a olho nu fortes indícios de que o consórcio golpista formado pela mídia monopolista, Lava Jato, instituições corrompidas do Estado e o chamado mercado se prepara para apelar para o jogo sujo ainda na reta final do primeiro turno das eleições.

O general de reserva Hamilton Mourão (PRTB), candidato à vice-presidência na chapa de Bolsonaro, já falou na possibilidade de um novo golpe (Foto: Tiago Queiroz/Estadão)

A nossa história está repleta de exemplos que revelam a total falta de apreço da burguesia brasileira pela democracia. Sempre que os de baixo ampliam minimamente seus direitos os donos do dinheiro não hesitam em reagir, quase sempre atuando à margem da lei.

O motivo dos pesadelos da casa grande é que a curva ascendente de Haddad o torna favorito para chegar ao segundo turno contra o capitão nazista.

Como todos os candidatos orgânicos da elite golpista fracassaram, resta aos endinheirados lançar mão de canalhices de última hora, no afã de virar o jogo.

Por isso, a campanha de Haddad não pode e não deve ignorar o golpe abaixo da linha da cintura que se anuncia. Talvez na forma de um depoimento forjado do esfaqueador Adélio, em torno do qual não faltam coisas estranhas acontecendo, mesmo após o término parcial do inquérito da Polícia Federal, e pediu prorrogação para as vésperas das eleições.

No golpe de 1964, as armas foram tanques e fuzis. Agora, bastam a “pena” e a toga

Mas é possível também que o assunto a ser explorado seja outro. Uma calúnia bombástica qualquer contra Haddad ou o PT, por exemplo. Criatividade para este tipo de coisa o establishment midiático-judicial tem de sobra.

Em 1989, depois de encerrado o horário eleitoral no rádio e na televisão, agentes das trevas entraram em cena fraudando a edição do debate Lula versus Collor e vestindo camisas do PT nos sequestradores de Abílio Diniz.

Tudo isso sem que a campanha de Lula contasse mais com seu programa na TV para denunciar a vilania. Nas eleições seguintes, o PT seguiu incorrendo no mesmo erro, aceitando passivamente que o último ato de campanha fosse o debate da Globo.

Em 2014, coube a outra digna representante do jornalismo de esgoto praticado no país, a revista Veja, a tentativa desesperada de interferir no resultado do segundo turno disputado entre Dilma e Aécio.

Pela primeira vez, a revista antecipou a circulação da edição semanal da revista para a quinta-feira anterior ao domingo da eleição, estampando na capa o título “Eles sabiam”, ilustrado pelas fotos de Lula e Dilma.

Não resta outra alternativa à campanha Haddad/Manuela que não seja montar uma verdadeira operação de guerra nos últimos dias de campanha.

Não custa o candidato alertar em suas inserções finais na TV sobre o risco de mais uma armação dos inimigos do povo para macular as eleições.

É importante também que desde já figuras públicas do PT, PCdoB e dos movimentos sociais denunciem a ameaça ao processo eleitoral que paira no ar.

Vídeos devem ser gravados previamente e estocados, para serem usados para mobilizar a militância.

Todo o aparato jurídico possível deve estar pronto para agir e entrevistas coletivas precisam ser convocadas imediatamente com a imprensa internacional, principalmente, assim que o ataque for consumado.

Enfim, só não dá é para ser pego de calças curtas mais uma vez. O que está em jogo é não só o resgate da democracia, mas sobretudo o futuro do Brasil como nação.

*Rafael Jasovich é jornalista, advogado, secretário e fundador da Associação Gremial de Advogados da Capital Federal, membro da Anistia Internacional

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Se as pesquisas retratam a realidade, dessa batalha insana entre o sujo e o mal lavado, entre o ódio e a vingança, sairá o vencedor e, qualquer que seja ele, será uma tragédia para o país.

Deixe um comentário