Com anel hidráulico, e ampliação da ETA Gatos, não vai faltar água em Itabira nos próximos anos, assegura presidente do Saae

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

A eterna novela da falta de água em Itabira no período de estiagem, que vai de abril a outubro, está chegando aos seus capítulos finais com a duplicação da Estação de Tratamento de Água (ETA) Gatos e instalação do anel hidráulico, que irá interligar todos os sistemas de captação e abastecimento na cidade.

Quem garante que o fim da histórica escassez de água está próximo é o presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira, Leonardo Lopes, para quem esses dois empreendimentos rompem com o gargalo na captação e distribuição do imprescindível insumo na cidade.

Com a duplicação da ETA Gatos, que irá captar mais 90 litros por segundo (l/s) nos rios Jirau e Pai João, a sua capacidade saltará para 180 l/s. Com isso, a cidade de Itabira passará a dispor de um total de 500 l/s, suficientes para suprir a população nos próximos dez anos com a melhor logística de distribuição, que virá com a instalação do anel hidráulico, passando pela estrada Cento e Cinco.

Leonardo Lopes, presidente do Saae, afirma que em 2020 não faltará água em Itabira (Fotos: Carlos Cruz)

Atualmente a capacidade de produção de água tratada pelo Saae é de 400 l/s, que cai consideravelmente na estiagem. “Pureza tem capacidade para tratar 180 l/s, não está produzindo 80 l/s. Gatos tem capacidade nominal de 90 l/s, está produzindo 40 l/s”, relaciona o presidente do Saae.

Segundo ele, para enfrentar a estiagem deste ano, a medida paliativa está sendo buscar reforço de 50 l/s de um manancial próximo da ETA Pureza e no rio Jirau mais 30 l/s para a ETA Gatos. A Pureza conta também com reforço de 100 l/s captados de poços profundos do Areão e também da mina Conceição, de uma outorga da Vale.

A escassez no curto prazo, de acordo com Lopes, será equacionada também com a ampliação da capacidade de armazenagem com a instalação de um novo reservatório, com capacidade para 2,6 milhões de litros, instalado na subida para a Pousada do Pinheiro. Esse reservatório entra em operacao após a conclusão da ampliação de ETA Gatos. “Itabira não ficará sem água nos próximos anos”, assegura o presidente do Saae.

Atrasos

Com o anel hidráulico, em instalação na Cento e Cinco, estações de tratamento e reservatórios ficam interligados

De acordo com Leonardo Lopeas, a solução para o problema de desabastecimento na cidade já poderia ter ocorrido há 25 anos, “não fosse a falta de investimentos do Saae no passado”, sustentou o presidente da autarquia.

Lopes também rechaça a acusação da oposição de que a falta de água não é só devida à seca, mas também decorrente do atraso na duplicação da ETA Gatos e da instalação do anel hidráulico. “Esse atraso não é nosso, deve ser cobrado das administrações passadas.”

De fato, pelo menos desde dezembro de 2011 a mineradora Vale entregou projeto à Prefeitura para captar 100 l/s de uma outorga que possui na barragem Santana/rio Jirau, ampliando a capacidade produtiva da ETA Gatos. A parceria foi saudada pelo então prefeito João Izael Querino Coelho.

“O reforço oferecido pela Vale irá possibilitar ao município ter uma folga em seu sistema de abastecimento para os próximos dez anos”, afirmou o ex-prefeito, conforme está registrado na edição de janeiro de 2012 do informativo Notícias, da Vale.

Como só agora a duplicação da ETA Gatos está sendo concluída, e como a população de Itabira permanece quase a mesma de oito anos atrás, pressupõe-se que a cidade terá água suficiente para os próximos 10 anos, já que passará a contar com uma disponibilidade hídrica de 500 l/s.

Só que para a Prefeitura e o Saae, só isso não basta para assegurar o suprimento de água à população e atrair novas indústrias. “A solução definitiva para o problema da água na cidade está na captação no rio Tanque”, insiste o presidente do Saae. Ele informa que a licitação para a parceria público-privada, pela qual a transposição será realizada, deve sair ainda neste ano.

Pelo projeto, o investimento será privado, a ser pago com ganhos de capital em 30 anos, por meio de aumento nas tarifas de água. Será, portanto, pago pelo consumidor, moradores, comércio e indústria, menos a Vale.

Sem dívida

É assim que a cobrança para que a mineradora Vale cumpra as condicionantes da Licença de Operação Corretiva (LOC), de 2000, que tratam de compensar as fontes de água extintas no passado pela mineração, é mais uma vez postergada.

“A Vale não reconhece que deixou de cumprir as condicionantes da água e a tendência é a Prefeitura judicializar essa questão”, informou a secretária municipal de Meio Ambiente, Priscila Braga Martins da Costa, em reunião do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Codema).

Após décadas de exploração ininterrupta, as minas da Vale já entram na fase que é chamada de descomissionamento, que é o nome que se dá para o encerramento das atividades, minerárias, quando devem ser tomadas medidas mitigadoras ambientais – e também socioeconômicas para compensar as perdas incomparáveis que virão com o fim do rico minério.

Já é, portanto, hora de a empresa abrir o debate com a sociedade itabirana, e não apenas fazer isso em gabinetes às portas fechadas. Isso diferentemente do que tem ocorrido com a comissão nomeada pelo prefeito Ronaldo Magalhães (PTB) para negociar as medidas necessárias que assegurem a sustentabilidade do município após a exaustão mineral, prevista para logo ali por volta de 2028.

Sem as compensações devidas, com as da água, é jogar conversa fora. Sem água em abundância, e de qualidade especial, a Itabira próspera que assistiu ao fim da hematita do Cauê, dos itabiritos das Minas do Meio, e proximamente verá a exaustão de Conceição, se definhará para sempre, “enquanto os itabiranos cruzam os braços e deixam a vida passar devagar”.

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

6 Comentários

  1. Aguilay Silveira on

    Sr. Presidente do SAAE Leonardo Lopes, Acho que junto à isso poderia realizar uma campanha de conscientização do uso da água para a população que lava calçadas e até mesmo a rua.
    ( Espero que o Sr. leia este meu comentário)

  2. José Martins Costa on

    Fácil fazer propaganda, quero ver se esta obra da Estação Gatos vai ter continuidade, pq até o momento esta abandonada. Será que o prefeito vai usar mais este trunfo como propaganda eleitoral.
    Fiquem de olhos abertos Itabiranos, que Itabira esta jogada às traças, observem as ruas, as praças da cidade…

    • FALOU TUDO, ESSE GOVERNO SÓ FAZ PROPAGANDA PARA ENGANAR O POVO AS RUAS TODAS ESBURACADAS, ASFALTO REMENDADO, PRAÇA SEM CUIDADO CHEIA DE LIXO COM PERIGO PRAS CRIANÇAS, ADULTOS, OS PASSEIOS DA CIDADE NÃO TEM COMO ANDAR, DESRESPEITO AOS DEFICIENTES. ACHO QUE SE FICAR FALANDO DAS COISAS RUINS VOU TER QUE ESCREVER UM LIVRO SOBRE ESSE PESSIMO GOVERNO ATUAL

    • FALOU TUDO, ESSE GOVERNO SÓ FAZ PROPAGANDA PARA ENGANAR O POVO AS RUAS TODAS ESBURACADAS, ASFALTO REMENDADO, PRAÇA SEM CUIDADO CHEIA DE LIXO COM PERIGO PRAS CRIANÇAS, ADULTOS, OS PASSEIOS DA CIDADE NÃO TEM COMO ANDAR, DESRESPEITO AOS DEFICIENTES. ACHO QUE SE FICAR FALANDO DAS COISAS RUINS VOU TER QUE ESCREVER UM LIVRO SOBRE ESSE PESSIMO GOVERNO ATUAL

Deixe um comentário