Chovendo no passado

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Celina Figueiredo*

Manhã cinzenta. Névoa na serra. Cai a chuva sem cessar. Não há pássaros a cantar, nem andorinhas em seu voo primaveril. Apenas um sabiá canta choroso; talvez de felicidade.

Esse tempo me lembra a infância, o que não é nenhuma novidade; velho só tem passado, pois, no presente, mais presente é o passado. Mas que importa? Ainda bem que se tem passado vivo na lembrança. O pior é quando ele se mistura com o presente e nem se sabe mais quem é e onde está.

Olho o vazio. Já estou no passado. A chuva cai do telhado de velhas telhas coloniais formando uma cortina. Da janela, atrás da vidraça,  vejo as águas formarem uma enorme enxurrada. É o rio onde navega minha alma infantil.

Meus olhos se voltam para o pico do Cauê e não o vejo. A densa névoa o envolve com seu manto. Aos poucos, lenta, diminui a chuva. As franjas da cortina se transformam em lágrimas.

E no rio, que ainda corre na calçada de hematita, coloco barquinhos de papel que me transportam a um mundo de sonhos. Enfim, vai-se a chuva. Volta o sol a brilhar sobre as pedras azuis, tornando a vida mais bonita.

Um belo arco-íris bebe água no poço de Lia da Penha. O Cauê mostra-se imponente como guardião da velha Itabira.

De repente, a Primavera de Vivaldi me devolve ao presente. É o telefone que me chama.
O tempo continua cinza. Nem um raiozinho de sol. Não parece Primavera. Só não mais chove no meu passado, que hoje é doce saudade.

*Celina Figueiredo é itabirana, professora aposentada de português. Mora em Belo Horizonte
Foto: Miguel Bréscia
Compartilhe.

Sobre o Autor

4 Comentários

  1. Cristina Silveira, Sem Esperanza on

    Celina escreva mais para a nossa Vila. A sua prosa é leve e poética e ajuda a tolerar o momento miliciano que vivemos.

  2. Carmen Lúcia Pires Guerra Vespermann on

    Você continua sensível, utilizando palavras ternas, Celina, como nos velhos tempos, em que tive a alegria de ser sua aluna.
    Como me deliciei com a beleza desse texto saudosista.
    Continue, a nos brindar com outros…

    • Celina Figueiredo on

      Obrigada, querida. Emociona-me reencontrar alunas que há tempos não vejo e que apreciam meus rabiscos. Um abraço saudoso.

  3. Celina Figueiredo on

    Obrigada, Carmen Lúcia. Fico emocionada de reencontrar alunas que se lembram de mim com carinho. Um abraço com saudade.

Deixe um comentário