Cândida Campos, ex-secretária do Planejamento da Prefeitura de Itabira, lidera a equipe de transição do prefeito Marco Antônio Lage

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

O prefeito eleito Marco Antônio Lage (PSB) encaminhou, nessa quarta-feira (18), correspondência ao prefeito Ronaldo Lage Magalhães (PTB) comunicando os nomes dos componentes da equipe de transição para o próximo governo.

A transição faz parte da legislação e do processo democrático. Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, Ronaldo Magalhães ainda não definiu quais secretários e assessores irão integrar a equipe do atual governo. Magalhães também ainda não ligou para Marco Antônio Lage, o que é de praxe, reconhecendo a sua vitória eleitoral.

Já a equipe de transição nomeada pelo prefeito eleito será liderada pela economista Cândida Izabel Campos de Morais, viúva do ex-prefeito Olímpio “Li” Guerra (1993/96), tendo atuado em sua gestão como secretária municipal de Planejamento. Antes, participou na gestão do governo Luiz Menezes (1989/92).

Atuou como chefe de gabinete nas duas gestões do ex-prefeito João Izael Querino Coelho (2005/12). Cândida Campos é especialista financeira e orçamentária. Funcionária de carreira da Prefeitura de Itabira, ela aposentou por tempo de contribuição em 21 de janeiro de 2017.

Sob a sua liderança, integram a equipe de transição do prefeito eleito o advogado Hugo Henrique Gomes, especialista em direito privado, com atuação na Procuradoria Jurídica Municipal e no Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Leste (Ciscel). E também o advogado Danilo Alvarenga Freitas, especialista em gestão pública e em direito empresarial (Business Law).

Além desses dois, integram a equipe o servidor Paulo Alexandre da Silva, da Secretaria Municipal de Planejamento, especialista em administração financeira, além da contadora e administradora Patrícia Alves Guerra.

Outra integrante da equipe é a farmacêutica e bioquímica Eliana Maria Tôrres Horta Guerra Lage, especialista em serviços de qualidade em Hemoterapia.

E por fim, a equipe conta com participação de Gabriel Duarte de Alvarenga Quintão, gestor público – e de Luziene Aparecida Lage, professora, especialista em matemática e educação, também servidora municipal.

“Vamos dar início ao nosso governo, em 2 de janeiro, já conhecendo a máquina administrativa, para que não ocorra descontinuidade dos serviços prestados à sociedade itabirana”, é o que espera o prefeito eleito.

“Queremos já nos primeiros dias implementar algumas mudanças, com todo o secretariado nomeado”, disse Marco Antônio Lage em entrevista a este site.

Posse

A posse do novo prefeito será no dia 1º de janeiro, juntamente com os 17 vereadores eleitos. Até lá, a expectativa é que seja julgado o recurso contra o indeferimento do registro de sua candidatura em primeira instância, junto ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

No caso da tentativa de impugnação do vice-prefeito Marco Antônio Gomes (PL), o seu registro já foi deferido pelo juiz federal João Batista Ribeiro, do TRE-MG, em julgamento no sábado (14), véspera das eleições.

Na sentença, o magistrado citou parecer favorável da Procuradoria Regional Eleitoral, revogando a sentença condenatória de primeira instância do juiz Dalmo Luiz Silva Bueno, da 132ª Zona Eleitoral da Comarca de Itabira.

O mesmo parecer favorável da Procuradoria Eleitoral Regional já consta do recurso de Marco Antônio Lage. Em sua defesa, o jornalista Marco Antônio Lage dispõe, também, da manifestação favorável da promotora Gislaine Reis Pereira Schumann, curadora eleitoral da 132ª Zona Eleitoral da Comarca de Itabira.

“Diante do exposto, manifesta-se o Ministério Público contrariamente ao presente pedido, de modo que seja julgada improcedente a impugnação e deferido o registro de sua candidatura.”

Marco Antônio Lage foi acusado pelo presidente do PSC de não ter se desincompatibilizado a tempo do cargo de diretor-coordenador do Instituto Minas Pela Paz (IMPP), uma organização não-governamental.

E que também não teria se afastado do cargo de diretor de Comunicação e Sustentabilidade da estatal Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), o que ele nega.

A expectativa é que o julgamento pelo TRE-MG ocorra ainda nesta semana, dando provimento ao recurso, reformando a sentença de primeira instância, deferindo o registro de sua candidatura.

Mas mesmo que isso não ocorra, Marco Antônio Lage toma posse, ainda que sub judice, enquanto aguarda o julgamento de segunda instância.

No destaque, Cândida Izabel, Gabriel Quintão, Patrícia Duarte Guerra, Paulo Alexandre, Danilo Alvarenga, Eliana Horta, Hugo Gomes e Luziene Lage (Foto: Divulgação).

 

 

 

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

1 comentário

  1. Cândida Isabel e Paulo Alexandre são muito competentes. Eliana Horta eu não conheço e não posso comentar. O resto são muito fracos e não têm noção de serviço público.

Deixe um comentário