Campeonato brasileiro segue com Palmeiras assumindo a liderança ao derrotar o Atlético no Mineirão

0
Compartilhe.

Luiz Linhares*

O início do campeonato Brasileiro deixou uma boa impressão e esperança para o que nos espera ao longo da temporada, com as três primeiras rodadas, quando o desempenho dos times mineiros foi até acima do esperado em termos de resultado.

Nas primeiras rodadas o Atlético não teve tropeço, vencendo todas essas partidas. Isso deixou o seu fanático torcedor com aquela esperança que tudo vai mudar. Pelo lado azul, o início foi com derrota, mas teve sequência com duas vitórias em casa, o recolocou o Cruzeiro entre os melhores. Foram duas rodadas subsequentes com o famoso cem por cento de aproveitamento, uma animação para alguns até exagerada por se tratar apenas do início.

Eis que chegamos à quarta e fatídica rodada para os times mineiros. Foi quando o Atlético, ainda na liderança, teve o encontro com o Palmeiras como segundo – uma equipe que ostenta a marca de vinte e seis rodadas sem derrota no Brasileiro, desde o ano passado. A partida foi no Mineirão. E no Sul do país, o confronto entre mineiros e gaúchos, Internacional e Cruzeiro, em, Porto Alegre.

Alguns comentaristas classificaram as duas partidas como tira-teima, com medição de forças nos dois duelos, além de ser presságio do que virá pela frente.

Santo de Casa não faz milagre e Atlético perde sua primeira partida no campeonato

Dizem que milagres até que acontecem. Mas nessa rodada, a força do natural foi mais eficiente que o poder sobrenatural. Para aqueles que avaliam o futebol pela análise fria e realista, sem paixão, ocorreu o óbvio.

O time que fez maior investimento, o grupo mais qualificado, além de uma série de outros motivos, tudo isso aliado fez com que o Palmeiras vencesse o Atlético dentro do Mineirão. Não mostrou um futebol tão superior, mas jogou na dose certa para conquistar o objetivo de momento, que era a vitória fora de casa, saltando para a liderança do campeonato.

Foi uma vitória alcançada com lances isolados, trabalhados pela força do grupo e eficiência individual. Com isso, deixou o Atlético sem o seu momento de grandeza, revelando lacunas que evidenciam a necessidade de o time mineiro se reforçar para o campeonato – se é que quer segurar uma posição de destaque ao final..

A derrota atleticana chega em um momento delicado pelos jogos importantes que tem pela frente. Já nesta semana precisa buscar um resultado positivo pela Copa do Brasil, diante do Santos, no Independência. É preciso obter uma boa vantagem, já pensando no jogo de volta que acontece em São Paulo.

Sai dessa partida e de novo terá outro tira-teima em casa pelo Brasileiro contra o Flamengo, outro forte postulante ao título de melhor do país. Em síntese, são todas partidas difíceis, que requerem superação. Para isso terá de mostrar qualidade e força de conjunto que foi se perdendo com o tempo.

Cruzeiro não teve Fábio operando milagres e perde para o Internacional em Porto Alegre 

Já o Cruzeiro é tido como possuidor de um dos melhores elencos de momento no futebol brasileiro. Teve um início de ano brilhante. Percorreu todo o campeonato Mineiro invicto e também assim se manteve na fase de grupos da Libertadores, só perdendo na rodada final por pura acomodação, jogando em casa. Um empate bastava para ter a melhor campanha nessa fase. E perdeu.

Edilson, do Cruzeiro, se envolve em lance polêmico com Nico Lopes, do Inter, após derrota em Porto Alegre (Foto: Vinnicius Silva/Divulgação). Na foto em destaque, Palmeiras derrota Atlético no Mineirão (Foto; Gladyton Rodrigues/EM/D.A. Press)

No campeonato Brasileiro começou mal e buscou a reação. No Sul do país tinha-se a impressão que poderia vencer, desde que endurecesse o jogo contra o Internacional, o que colocaria o time celeste já na fase intermediária da competição nacional.

Porém, mais uma vez o que se viu foi um time de pouca articulação, tendo sido envolvido pelo adversário em boa parte da partida. Sem conseguir colocar em prática a força de seu elenco, o que se viu foi uma baixa produção mesmo com tantos jogadores badalados, mas que tiveram baixa produção, sempre esperando do goleiro Fábio a solução com os problemas criados.

Entendo até que o Cruzeiro possa ter tido uma queda de produção pela sequência de jogos e competições. Que seja algo passageiro, que deixe para trás um ataque improdutivo, um meio com boas peças, mas com baixo poder de criação. E uma defesa que vez ou outra bate cabeça em lances até infantis para o processo profissional que vivem.

A rodada foi muito ruim para os times mineiros. Mas mostrou que no momento do futebol brasileiro não existe nenhum time muito diferente do outro. É preciso ter todo cuidado daqui para a frente para não atrapalhar o ano no geral.

Vão se seguir algumas rodadas a mais até a parada para a Copa América, em meados de junho. Pausa para descanso, reflexão e correção. Quem tiver talento de planejamento pode decolar e ter a sequência feliz no ano.

*Luiz Linhares é diretor de Esportes da rádio Itabira-Am

 

 

 

Sobre o Autor

Deixe um comentário