Campanha contra sarampo, doença infecciosa grave e contagiosa, tem início nesta segunda-feira em todo o país

0
Compartilhe.

Nesta segunda-feira (7) tem início em todo o país a Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo, doença infecciosa grave e altamente contagiosa. Em Itabira, a meta da campanha é alcançar 95% de cobertura vacinal.

Para isso ocorrer, a campanha será realizada em duas etapas, de acordo com a faixa etária. A primeira etapa se estende até 25 deste mês, com a imunização de crianças com idade entre seis meses e menores de cinco anos.

Na segunda fase, que terá início no dia 28 e segue até 30 de novembro, serão imunizados jovens adultos com idade entre 20 e 29 anos.

O Dia D (de mobilização nacional contra o sarampo) será realizado no dia 19 deste mês, para a etapa de imunização das crianças. E o Dia D de vacinação dos jovens adultos está agendado para o dia 30 de novembro.

A vacinação ocorrerá nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), de segunda a sexta-feira, no horário de 7h às 17. Para a mobilização nacional, além das 21 UBS, a vacinação também ocorrerá na Policlínica, no horário de 8h às 17h. É imprescindível levar o cartão de vacinas.

Contraindicações

As crianças ou os jovens adultos que estiverem com febre terão de adiar a vacinação e os imunocomprometidos terão de passar por uma avaliação médica para indicação ou não da vacina.

Além disso, reação anafilática à dose anterior também contraindica doses subsequentes. A vacina não é indicada para gestantes.

Doença é grave

Os sintomas mais comuns da doença são febre, tosse, manchas avermelhadas, coriza e irritação nos olhos.

A transmissão acontece de uma pessoa a outra, por meio de secreções expelidas pelo doente ao tossir, espirrar, falar ou mesmo respirar. Como não existe tratamento específico para o sarampo, a vacinação é o meio eficaz de prevenção.

Com uma maior incidência da doença em crianças, a prioridade será dada a esse grupo. É nessa fase que as complicações são também maiores. Já a vacinação para o segundo grupo foi também priorizada levando-se em conta o número considerado excessivo de casos confirmados entre jovens adultos.

No país, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a cobertura vacinal é considerada baixa, daí a necessidade do reforço vacinal. Com a imunização seletiva, espera-se reduzir e ou até mesmo eliminar o número de pessoas dos públicos alvos não vacinados, como forma de interromper a circulação viral e assim obter o controle da doença.

Vacinação é permanente

A Secretaria Municipal de Saúde também informa que mantém a imunização regular nas UBS que possuem sala de vacina. A vacinação pela tríplice viral protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola – e faz parte da rotina do calendário nacional a partir do primeiro ano de vida.

Crianças com idade de seis a 11 meses e 29 dias devem receber uma dose da vacina, considerada “dose zero”. A dose única elimina a necessidade de se fazer a imunização regular aos 12 e 15 meses, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as aplicações.

Para jovens adultos com idade até 29 anos, o Ministério da Saúde determina a comprovação de duas doses da vacina tríplice viral e, de 30 a 49 anos, uma dose.

Acima dos 50 anos, a vacinação não é recomendada, uma vez que nessa idade a pessoa já teve contato com o vírus e adquiriu imunidade.

Sobre o Autor

Deixe um comentário