Bolívia, Chile e Argentina se insurgem contra a barbárie social do neoliberalismo que se apoia em seitas religiosas

0
Compartilhe.

Rafael Jasovich*

Hoje em dia nossa América, como José Martí a chamou, é tocada e nada indica que a emergência termine bem ou em breve. O golpe violento na Bolívia, fotos e vídeos que mostram a bestialidade de que o neoliberalismo é capaz. Chile, Equador são exemplos.

É por isso que este golpe é desanimador: porque redescobrimos que a violência faz parte da estratégia de dominação. São violentos para dinamitar a democracia, para semear o ódio, e para tornarem-se donos do poder político irregularmente. E até mesmo a violência é a ameaça implícita sobre o nosso futuro. Vide America Latina.

O poder mundial parece determinado a avançar com provocações sem precedentes para derrubar as forças populares. Montado no racismo secular das classes oligárquicas, alta e média, treinados em consumismo, ignorância, exclusão e ódio, o que vemos é a erupção política reacionária, ajudada por uma nova força: as chamadas religiões cujas “igrejas”, “assembléias” ou ” “templos” funcionam com um misto de usos odiosos disfarçados de amor e ressentimento na forma de orações que mais parecem expressões de pensamento mágico.

Multidão se insurge contra a política neoliberal que corta benefícios sociais no Chile (Foto: Muhammed Emin Canik (Anadolu Agency via Getty Images). No destaque, repressão a manifestantes na Bolívia (Foto: Reuters)

Enquanto as armas continuam a ser instrumentos para reprimir os povos, como vimos recentemente no Equador e agora na Bolívia e no Chile, o poder de proselitismo do neoliberalismo é hoje não só no absolutismo comunicativo, mas também naqueles credos auto-designados, genericamente, de “evangélicos” ou “cristãos”.

Seu poder gerador de ódio é tanto ou maior do que o dos sistemas jornalísticos, porque eles o disfarçam ou o vestem como “amor”, aproveitando-se da ignorância das pessoas que pensam que testemunham as supostas “libertações” de Satanás encarnado por reformadores sociais como Evo Morales.

Talvez estejamos testemunhando uma mudança estratégica extraordinária e fundamental no neoliberalismo como uma ideologia contemporânea, que tem se consolidado em todo o mundo hoje desde que foi sugerido em guerras religiosas e étnicas provocadas em outros continentes, nos últimos anos, para conquistar o petróleo. Agora foi a vez da Bolívia, um país rico em petróleo e gás, onde o neoliberal Tsunami foi desenvolvido no controle religioso-ideológico da burguesia urbana, cujo fanatismo estamos vendo.

É por isso que o golpe na Bolívia não foi apenas um sucesso no direito econômico de Santa Cruz de la Sierra. A tragédia boliviana é muito mais do que isso, talvez a estréia de uma nova estratégia imperial de usar igrejas trutas que são chamadas de “evangélicos”, e que nos Estados Unidos têm imenso poder econômico e controle sobre vastos setores que são considerados testemunhas deificadas, missionários e outras designações que, baseadas em promessas de amor, acabam irracionais e fanáticas.

Reiteramos também o ponto, não menos, que em 1945, no final da 2ª Guerra Mundial, a Terra era habitada por 1,5 bilhão de habitantes. Que 75 anos depois, essa população cresceu cinco vezes: hoje são 7,5 bilhões de pessoas em dezenas de nações, o que, de fato, é de 7,5 bilhões de clientes, consumidores, usuários. Quero dizer, assuntos que ainda têm direitos em alguns países, mas que em um mundo nacional poderia obstruir ou perturbar a concentração capitalista.

A história da humanidade é também a história da luta pelos direitos dos cidadãos, que é o que eles estão esmagando na Bolívia hoje com os auspícios dos proprietários do mundo e seus capangas locais.

Não tem lugar para o desespero. A luta pela democracia é bem antiga. E como podemos observar hoje, o povo boliviano se insurge contra o obscurantismo e a barbárie, o mesmo acontecendo no Chile y por via eleitoral na Argentina.

*Rafael Jasovich é jornalista e advogado, membro da Anistia Internacional

Sobre o Autor

Deixe um comentário