Às portas de Itabira, no céu da boca do poeta Drummond

WhatsApp Pinterest LinkedIn +
Por Cristina Silveira

 Ambrosia, substantivo feminino, “nove vezes mais doce do que o mel”.

O brasileiríssimo Darcy Ribeiro apelidou a ambrosia de “doce de eu menino.” Serviu a divina sobremesa em jantar em sua casa ao presidente da República FHC. O convite era amigável, a mesa posta com delicias da cozinha mineira, serviu ao discurso de protesto – inclusive da privatização da CVRD –, ao governo do sociólogo esnobe.

Do banquete despojado, FHC não digeriu a alquimia dos três sabores ancestrais, não ingeriu a sabedoria Macunaíma do mestre Darcy.

Em casa de minha mãe e de outras mães de “eu menina”, a ambrosia era preparada com leite gordo, e se pra dieta de convalescente, os ovos eram os azuis ou de pata. Em casa da mãe de minha mãe, ambrosia só com o leite de vaca Estrela.

Vaca imponente, quase toda preta não fosse a estrela branca no centro da testona, marca de nascença. Indiferente e profundo aquele olhar de vaca sobre o pasto verdejante do capim meloso, era Estrela de tetas fartas do leite branco como nuvem que alimentava a família do mais amável vô do mundo, o meu, sô Rui da Costa Lage.

Em 1955 o poeta Drummond publicou Memórias do paladar, duas crônicas dedicadas a nos contar o que se comia na Cidadezinha no início do século 20, quando do outro lado do mundo nascia a culinária futurista de Marinetti.

Em Memórias II, Drummond revive Siá Maria, seu anjo da guarda contra os “decretos” do Solar dos Andrades; alude a certa sobremesa, singela e misteriosa preparada pela mãe Julieta Augusta.

Depois de oito anos o doce mistério no céu da boca do pequeno Carlito é revelado na revista O Cruzeiro: Leite, ovos açúcar & canela em português ou simplesmente Canela y Misterio, em espanhol.

A autora da revelação é Thereza de Paula Penna (1927-2007), nascida em Curvelo MG, onde se dizia: “mulher Paula Penna mansa, nasceu morta”.

A Thereza é irmã de Alceu Penna (1915-1980), desenhista, ilustrador, figurinista, autor das Garotas do Alceu e um dos primeiros a desenvolver a técnica dos quadrinhos no Brasil.

A Vila de Utopia conta a história e dá a receita, mais doce do que o mel, para ler ou cozinhar e aquecer os corpos confinados enquanto a pandemia passa e os pandemônios ladram. Por hora, “Fique em Casa” e leia a Vila de Utopia.

Leite, Ovos Açúcar & Canela

Alceu e Thereza Penna (Foto: O Cruzeiro)

Thereza de Paula Penna

(uma receita para Carlos Drummond de Andrade)

Em “O céu da boca”, crônica de Carlos Drummond de Andrade, esse grande poeta diz: “E nunca mais ninguém soube fazer para mim, por mais que eu explicasse e suplicasse e inventasse, e por maior que fosse a boa vontade da executante, certa sobremesa singelíssima de leite fervendo, ovos, açúcar, canela e mistério, que mamãe cansada de tantos filhos, e de tanto rebuliço de cada filho, ainda assim mansamente nos preparava”.

Creio que este mistério a que Drummond se refere seja a saudade da infância e lembrança de coisas antigas misturadas ao paladar deslumbrado de um menino de Itabira.

Chegando à idade adulta, o paladar exigente espera encontrar tudo isto de volta num prato de doce fumegante cujo segredo o grande poeta procura em vão.

Nas minhas recordações de infância há também um prato com os mesmos ingredientes. Minha mãe, o preparava para os lanches dos dias frios.

A receita deve ser a mesma!

Sou mineira também e minha família, originária de Itabira, se honra do parentesco de literatos ilustres como Afonso Penna, Cornélio Penna e, em grau mais longínquo, de Carlos Drummond de Andrade…

Oxalá a receita seja a mesma e que o antigo menino encontre o encanto daqueles dias no sabor daquele doce composto de leite fervendo, ovos, canela e… saudade.

Ambrosia

(Alimento dos Deuses no Olimpo e em Minas Gerais.)

2 litros de leite, 1 colher de sopa de chá de sal, 1 e ¼ de xícara de açúcar, 6 ovos, 1 pau de canela, canela em pó.

Leve ao fogo, numa vasilha grande e larga, o leite com sal, açúcar e canela em pau. Deixe ferver, diminua o calor do fogo para conserva-lo apenas quente. Bata as claras em neve firme, junte uma a uma, três gemas, continue batendo. Derrame esta mistura de ovos sobre o leite, cuja fervura deve apenas se manifestar por um leve tremor. Quando os ovos estiveram cozidos, vire-os com uma espumadeira, conservando-os em pedaços grandes. Depois de cozidos, retire-os para uma sopeira. Bata as três gemas restantes, junte ao leite para engrossar. Retire o pau de canela e despeje o leite fervente sobre os ovos da sopeira. Polvilhe com canela em pó. Sirva em pratos fundos, polvilhado com mais canela.

Esta receita é excelente para aumentar o consumo de leite entre crianças rebeldes ou pessoas doentes. [Biblioteca da ABI-Rio. Coluna Lar Doce Lar… Revista O Cruzeiro, 25/5/1963]

Compartilhe.

Sobre o Autor

5 Comentários

  1. Venâncio Lage Pires on

    Cristina Silveira sempre surpreendendo o leitor desta vila de utópicos desde antanho com saborosas revelações. Fiquei com água na boca. Venâncio Lage Pires

    • Caro Venâncio, pelo seu renome se não é Garrucheiro, descende de… pois então vá à Santa Maria tire leite de vaca rainha do curral e faça a ambrosia ou ovos moles ou ainda doce de leite talhado. Fico agradecida de que vc aprecie a nossa Vila Utópica e essencial. Obrigada pelo prestígio…

  2. José Norberto de Jesus on

    Cristina,
    Como disseram acima, matéria surpreendente, que envaidece a amizade e o conteúdo estimula se informar mais.
    A receita instiga a quem é do ramo da gastronomia, preferiria, apreciar a receita.
    Norberto de Nael.

Deixe um comentário