Aprendizado sobre a vida

0
Compartilhe.

Andei pesquisando sobre a psicopatologia dos psicopatas e o poder foi fruto dessa pequena pesquisa.

Hoje recebi este texto que segue de uma amiga. Como já tenho muitos anos de vida, vivi muitos invernos e poucas primaveras, muitas pessoas passaram por minha existência. Algumas ficaram, outras foram embora ou a vida as levou, algumas voltaram, mas muitas foram embora para sempre.

Entendi que o texto era para mim (pretensão) e decidi, se o editor desta Vila de Utopia assim o julgar interessante, que seja publicado.

(Rafael Jasovich, pela transcrição)

Pessoas passam, ciclos acabam, e a vida continua

Por Carolina Cavalcanti

Entendi que todas as pessoas que passam por nossa vida são uma espécie de professor; o ensinamento teórico é belo, mas é na prática que mora a verdadeira magia.

Finalmente entendi, lá no fundo do peito, o que Liz Gilbert tentou me ensinar em “Comer, rezar e amar”. Entendi que todas as pessoas que passam por nossa vida são uma espécie de professor; o ensinamento teórico é belo, mas é na prática que mora a verdadeira magia. Ao entendermos isso, não passamos a analisar as pessoas de nossa vida, mas a aceitá-las e a tudo o que elas puderem e quiserem nos dar.

Aceitamos diminuir as expectativas sobre elas e a aproveitá-las pelo tempo em que estiverem conosco, trocando, crescendo. Pode ser que a pessoa saia de nossa vida e a ela volte, pode ser que não saia ou ainda que saia de vez. Pode sair porque quis ou por circunstâncias da vida, pode permanecer por pouco tempo ou por muito. Não importa.

Antes de começar uma nova história, aprenda a encerrar seus ciclos

A vida é feita de encontros e despedidas: deixe-a fluir (Fotos: Google)

Deixe a vida fluir… o que não quer ficar deixe ir.  A compreensão de que a vida é cíclica é libertadora

Só precisamos entender o processo, aceitar que a vida gira em ciclos e que não saberemos quando irão acabar…

Então, vivê-los da melhor e mais intensa forma possível é o que devemos fazer, sem arrependimentos, sem cobranças, de uma maneira leve.

Não estou dizendo que é fácil. Encerrar um ciclo é sempre penoso, doloroso, e viver esse luto é necessário. Porém, passada a tempestade, devemos olhar para o céu e nos lembrar de todas as possibilidades que nos aguardam. Afinal a vida é uma caixinha de surpresas.

E quando os ciclos se encerram, conseguimos fazer um balanço, entender o que passou e o que aprendemos com eles, conseguimos sair gratos, independentemente do fim, quando finalmente entendemos, lá no fundo, que todos que passam por nós são professores, de alguma forma, assim como nós somos para eles.

Afinal, na jornada da vida, o que realmente importa são as conexões que fazemos.

 

 

 

 

Sobre o Autor

Deixe um comentário