André Viana desiste de disputar a reeleição para vereador, mas diz que não abandona a política

WhatsApp Pinterest LinkedIn +

Com um “até breve”, o vereador André Viana (Patriota) comunica que não será candidato a prefeito de Itabira – e nem mesmo irá disputar a reeleição nas eleições de 15 de novembro. Anteriormente, em entrevista coletiva, ele já havia adiantado essa possibilidade, para se dedicar mais à atividade sindical.

André Viana apoiou a candidatura de Jair Bolsonaro (sem partido) em Itabira. Mas mesmo nessa condição, não deixou de criticar a reforma da Previdência e o desmantelamento da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Mas ele apoia o projeto da Escola Sem Partido, que pretendia implantar em Itabira, assim como a proposta de Escola Cívico-Militar, que integram as propostas para a educação do atual governo.

A sua decisão de não se candidatar à reeleição deve ser anunciada nesta terça-feira (4), na Tribuna da Câmara, no Grande Expediente. Para ele, não se trata de uma renúncia à política, e sim à atividade parlamentar como vereador.

“Não se faz política só em urnas. Apesar de não ser candidato nestas eleições, estarei envolvido na política local, com ideias, projetos e ações”, assegura o vereador sindicalista, ao anunciar que pretende se dedicar, nos próximos anos, exclusivamente ao Sindicato Metabase, que ele preside.

Viana disse ainda, em comunicado à imprensa, que dessa forma estará também contribuindo para o desenvolvimento de Itabira. Afinal, ele representa um segmento social de grande importância para a economia local, que são os mineiros que há mais de 78 anos extraem, em larga escala, o minério de ferro de Itabira.

Na verdade, com a sua renúncia à vereança, André Viana pretende alçar voos mais altos. É que ele pretende disputar, por exemplo, o cargo de conselheiro da Vale, como representante dos trabalhadores, a exemplo do que fez o seu antecessor, o também vereador Paulo Soares (MDB).

Outra pretensão é disputar a eleição para deputado, daqui a dois anos, concorrendo a uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais ou mesmo a uma vaga na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Para isso, ele espera contar com o apoio da extensa base do sindicato Metabase, que representa mais de 20 mil mineiros, que trabalham em 30 municípios de sua área de abrangência.

Compartilhe.

Sobre o Autor

Deixe um comentário