A mulher em sociedade, empoderada e emancipada, é tema de debate na Unifei

0
Compartilhe.

Realizado pelo projeto de extensão Sankofa Capoeira, no Espaço 4ª Arte, no campus da Unifei-Itabira, a mesa-redonda A mulher na Sociedade abordou diferentes aspectos das condições vividas pela mulher em diferentes contextos, em Itabira e no mundo. Foram também debatidos aspectos específicos, como a mulher engenheira no mercado de trabalho e na cultura, tendo como viés comum o anseio por uma sociedade mais igualitária, que reconhece as diferenças como princípio fundamental da justiça social e que abomina todas as formas de misoginia e de discriminação.

Eva Gonzaga, fiscal da Prefeitura de Itabira e membro do Conselho para Promoção da Igualdade Racial, discorreu sobre a luta das mulheres pela igualdade e respeito em todas as esferas da sociedade. “Hoje se fala muito em empoderamento e muitos têm medo dessa palavra. Empoderar a mulher é colocá-la em condições de igualdade com o homem”, definiu.

Para a professora Carolina Morelli, que está à frente do projeto de extensão Sankofa Capoeira, é importante debater esses temas no meio acadêmico e na sociedade, por serem ligados à história e à cultura brasileiras. Daí a importância de o debate ser aberto à sociedade, como forma de interação também da universidade com o público não acadêmico.

“O tema sobre a mulher na sociedade é amplo, diverso e complexo. É por isso que deve ser debatido em diferentes formas e espaços, envolvendo todas as questões correlacionadas. Já evoluímos bastante na luta contra o machismo, mas ainda há muito o que caminhar”, disse ela, que vê no encontro uma oportunidade propiciar informação, inspiração e provocar mudanças na sociedade ainda machista e sexista.

Balanço

Mesa-redonda debateu na Unifei o papel da mulher em sociedade (Fotos: Divulgação)

No balanço geral da mesa-redonda, Morelli avalia que foi de grande importância o debate no meio acadêmico e com a sociedade. Ela salientou, inclusive, a participação masculina, praticamente a metade do público presente.

“Ações como essa, além de conscientizar, provocar a reflexão e a sensibilização, servem também para que pessoas com uma causa em comum se identifiquem, se unam, se fortaleçam e possam planejar novas ações futuras. O debate deve ser constante e a luta diária”, propôs.

Além de Eva Gonzaga, do Conselho para Promoção da Igualdade Racial, participaram do debate Lena Primo, presidente do Conselho da Mulher e diretora para Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura de Itabira, Nara Linhares, engenheira civil e professora da Unifei, e participação também especial da capoeirista Izabel Cordeiro, a mestra Bel, que ministrou uma oficina de capoeira no sábado (28), no mesmo local.

O que é Sankofa Capoeira

O projeto de extensão Sankofa Capoeira oferece às comunidades acadêmica e itabirana atividades que fomentam a prática do esporte, o bem-estar físico e emocional. Destaca ainda a socialização, a musicalização, a divulgação e o contato com a cultura brasileira.

Para isso, se propõe realizar debates sobre temas pertinentes à sociedade. Outro objetivo da ação é a interação entre a sociedade e o meio acadêmico.

O Sankofa também oferece aulas gratuitas de capoeira realizadas todas as terças e quintas-feiras, das 17h45 às 19h15, no Espaço 4ª Arte da Unifei-Itabira. Para mais informações sobre o projeto, entre em contato pelo e-mail carolina.morelli@unifei.edu.br.

Sobre o Autor

Deixe um comentário